sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Bons tempos - 2010

Adiei o máximo que pude, mas hoje, último dia do ano de dois mil e dez, vejo que não há mais tempo. Então, só tenho a agradecer. Aos acontecimentos, bons que ruins, que por algum motivo vivenciei; Ao crescimentos, batalhas e às quedas; Ao amor, amizade, fraternidade, confiança, decepção, alegria, tristeza, harmonia; A Deus, tudo.
Não há palavras para descrever o quanto este ano fez bem a mim. Hoje vejo, o quanto foi certo dar valor até mesmo as coisas ruins, pois me ajudaram a crescer. Foi um período de mudanças, descobertas, farras e responsabilidades. Senti o que é ser adolescente, e vi o que é ter amigos verdadeiros. Foi o último ano na cidade em que nasci e 2011 será o começo de uma nova jornada, então talvez seja por isso que eu tenha curtido tanto 2010.
As amizades que fiz e cultivei, vou levar para sempre comigo. Vocês que me escutaram, me ouviram, choraram, riram, curtiram, caíram, levantaram, trocaram olhares, palavras, gestos, sentimentos; Obrigada. Alguns por perto há muitos anos, e outros foram chegaram em 2010. São eternos, maravilhosos, e sem vocês seria muito diferente.
Há quem ache isso muito clichê, eu mesma acredito que seja, porém, não vejo outra maneira de homenagear vocês, que me fizeram tão bem. Todos fazem retrospectivas e homenagens de fim de ano, mas saibam que não importa quem faz, e sim, com que sentimento faz. E o meu a vocês é de amizade, confiança e amor. Desejo a todos um ótimo 2011, e lhes digo que não importa o que aconteça, levarei vocês sempre comigo em meu coração.

domingo, 26 de dezembro de 2010

  

Pare de viver sua vida como se estivesse num filme.
Pare de idealizar seu amor em vez de encontrá-lo.
O amor não é sempre como um raio, as vezes é só uma escolha.
Talvez o amor verdadeiro seja uma decisão.
Decisão de correr risco com alguém.
Dar-se, sem se preocupar se vão dar algo em troca ou magoar você ou se é a pessoa certa.
Talvez o amor não seja algo que aconteça, talvez seja apenas uma escolha.

(Amor e outros Desastres)

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Christmas

Lembro-me que nesta época, a alguns anos atrás, eu esperava ansiosa a chegada do famoso Papai Noel. Tudo era alegria, presentes, família. Em partes, isso era ótimo, já por outro lado, hoje vejo que entendo realmente o significado do Natal.
A espera pelo bom velhinho, a alegria sem explicação que havia dentro de mim, me tornavam uma eterna criança. Com a inocência, e a fé no ser que adultos dizem não existir, hoje sinto falta do passado. Porém, minha preocupação maior, devo lhes admitir, eram os presentes. À medida que o tempo passou, cresci e comecei a entender melhor este mundo. Vi que os presentes se tornaram uma maneira do comércio enriquecer, e acabou se transformando em um motivo para decepções, pois "às vezes ganhávamos o que não queríamos". Fico feliz em ter deixado esta fase de lado, pois hoje sei que Natal é o nascimento de Jesus, o ser mais importante de todo este mundo.
Só não entendo o sentimento que há dentro de mim hoje, dia 24. Estou confusa, reflexiva. Vejo aqueles filmes em que algumas pessoas recebem os 3 espíritos, e penso que talvez uma visita deles me deixasse mais tranquila. Prometo a mim mesma, esta noite, não pensar no passado, viver o presente. Pois é único, como todos os momentos de nossas vidas. Arrependo-me por ter desejado crescer tão rápido, mas isso serviu para me ensinar a aproveitar cada segundo com quem amo. Então, mais uma vez, lhes desejo um Feliz Natal, muito alegre e compreensivo.

Então é Natal...

Uma alegria sem explicação, um afeto sem origem e uma vontade de perdoar, sem sentido. É assim que muitos se sentem no Natal, época de estar tudo em paz. Muito vermelho, branco, verde, e amor.
Cada um comemora esta data de sua maneira. Crianças aguardam ansiosamente a chegada do Papai Noel; Famílias se reúnem, para juntas celebrar; Os jovens vão para as festas pós meia noite, curtir com seus amigos; E infelizmente, existem aqueles que o comemoram sozinhos, por opção, ou não. É triste ver, que enquanto alguns têm a oportunidade de passar um Natal aconchegante e feliz ao lado de suas famílias, outros não têm onde ficar. É triste ver que enquanto alguns espalham amor e alegria, outros espalham ira e inveja.
Nesta época tão maravilhosa, não deveria haver sentimentos ruins. É o nascimento de Jesus, Deus em terra. Não é tempo de pensar apenas em bens materiais ou em brigas, e sim de perdoar, amar, sentir, rir. De sermos todos felizes, juntos, unidos para celebrar. Talvez seja a única época do ano que você tem chance de reunir sua família, então em vez de se fechar em um canto, abra um sorriso, e sinta o espírito! Ajude aqueles menos favorizados, nem que seja um pequeno gesto, não faça nem para sua felicidade, pense apenas no próximo.
Um feliz Natal para todos, e não se esqueça que o verdadeiro presente é aquele que vem de nosso coração.

sábado, 18 de dezembro de 2010

As dificuldades fazem o melhor!

Tem dias que você sente que o mundo conspira contra você. Seu pai não te deixou sair; Suas amigas foram fazer um programa, no qual você não pode ir; Engordou uns quilinhos a mais; Apareceram espinhas no dia da festa; Brigou com alguém especial; Rasgou a roupa que ia pra balada; Quebrou o salto; Se machucou; A pessoa de quem você é afim, começa a namorar; Sente que o que faz, está errado; E perde a vontade de tudo também. 
Dias assim, muitos de nós, adolescentes, vivemos. Não há nenhum ser humano que diga que nunca se sentiu assim, que teve a adolescência perfeita. Afinal, o próprio nome já diz, que é "O período da vida humana que sucede à infância, começa com a puberdade, e se caracteriza por uma série de mudanças corporais e psicológicas".  Mudanças, problemas, confusões... Queremos descobrir o mundo através das paredes de nossas casas, ter novas experiências, experimentar.
Digo-lhes: "Já tive os piores dias de minha vida, tudo deu errado!" Agradeço pelas dificuldades, pois me ajudaram a crescer. Agradeço pela TPM, pois me estressou e me fez chorar. Agradeço por tudo, pelo fato de estar na adolescência, a melhor fase. Onde eu posso ser o que  quero... Uma criança virando adulta. Eu curto, eu danço, eu sinto, eu canto, eu grito, eu pulo, eu enlouqueço, eu me apaixono, eu sofro, eu brigo, eu falo mal, eu faço besteiras, eu vivo. EU SOU ADOLESCENTE!

domingo, 12 de dezembro de 2010

Cartas para Julieta


105 minutos sentada em frente à TV, sem ao menos piscar os olhos. A apaixonante história "Cartas para Julieta", conta com a participação do diretor Gary Winick (de Noivas em Guerra), além de um elenco maravilhoso, talentoso.
Sophie (Amanda Seyfried), americana, "checadora de dados", sonha em ser escritora. Ao embarcar em uma lua-de-mel pré-casamento com seu noivo Victor (Geal García Bernal), à Itália, não imaginava o que o destino lhe reservava. Após ficar solitária, pela ocupação de seu amado, acaba descobrindo uma carta, que há muito tempo foi deixada para Julieta. Movida, sai em busca dos amantes desta história, entrando em uma grande aventura, com Claire (Vanessa Redgrave) e seu neto Charlie (Christopher Egan), desejando um dia contar ao mundo o que viveram.
Um filme realmente bom, que nos faz entender nossas escolhas, o destino, o amor. Emociona-nos com a determinação, persistência e fé. Faz-nos refletir, com a frase que os personagens dizem: "Que quando se fala de amor, nunca é tarde demais". Algumas pessoas podem não gostar de seu enredo, pois é meio previsível, mas se ir a fundo apaixona-se, principalmente pela mensagem que o filme passa. Aprende-se que não há idade para amar, admirar o amor. Crianças, jovens, adultos, idosos; Todos sentem, sentiram ou deveriam sentir esse sentimento maravilhoso. E é exatamente isso que o filme Cartas para Julieta mostra-nos. Assista-o, e descubra que o que é verdadeiro, nunca morre.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

O estilo sem estilo

O mundo de hoje, perdeu-se em um grande buraco negro. As pessoas deixaram de viver suas vidas, para dar atenção à futilidades, "modinhas", entre outras coisas que a mídia divulga para manipular e enganar muitos jovens.
Ninguém entende - ou tenta entender - o motivo de haver muitas pessoas revoltadas, "diferentes". O que acontece com elas, não é de admirar-se, pois cansadas do que é lhes dito, encontram armas para defenderem-se. Muitas vezes refletidas em suas maneiras de vestir, falar, andar. Enquanto outras, procuram um ídolo e ideia a seguir. E são atitudes como essas, que fazem surgir as famosas "modinhas". Estilos criados para manipular mentes jovens, pouco maduras. E quem se favorece é a mídia, enriquecendo com tamanhas futilidades.
Artistas - ou não - como Fiuk, Restart e até mesmo aqueles Colírios Capricho, são provas reais de que hoje qualquer um pode ser famoso, qualquer um pode "fingir que canta", é só usar roupas coloridas e ter um franjão no cabelo. Aquele rosto bonito, vale mais do que um olhar sincero; ter fama é melhor do que ter amigos verdadeiros; E conhecer o Justin Bieber, por mais esnobe e antipático que ele seja com você, tem mais importância do que ouvir um eu te amo de quem está ao seu lado.
É complicado tentar adivinhar por quanto tempo isso irá durar, e até onde chegará. Muitos acreditam que chegou a seu auge, mas permanece como mistério. Não há problema nenhum em admirar algumas modinhas, só não mude a si mesmo por medo de não conquistar os outros.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

O perigo está próximo

Muitos fatores que fazem parte de nossas vidas cotidianas, mudaram comparados a alguns tempos atrás. A violência urbana, por exemplo, mostra-nos o quanto cada vez mais o tempo passa, mais fica perigoso de andar nas ruas.
Antigamente, era de costume deixar os filhos brincarem livremente fora de casa, sair a noite sem preocupação e até mesmo confiar em todos que lhe pedem carona na estrada. Hoje, se deixar acontecer algo assim, você corre um grande risco de ser assaltado, sequestrado. O medo então, domina a cada um, o que os impede, até mesmo, de combater este processo.
Luís Antônio Francisco de Souza disse: “A pobreza não é a causa da violência. Mas quando aliada à dificuldade dos governos em oferecer melhor distribuição dos serviços públicos, torna os bairros mais pobres mais atraentes para a criminalidade e a ilegalidade”. Com isso refletimos ao fato da falta de emprego, se contribui ou não. Mas, sendo urbana, a violência com seu próprio nome acaba explicando-nos. As causas podem ser um acúmulo, de muitas coisas que acontecem nas grandes cidades. A falta de emprego, pagamento de dividas, problemas públicos... E atualmente, aparenta-se que isso deixou de ser apenas uma “resolução para o problema dos criminosos”, e transformou-se em uma grande diversão para eles.
A polícia faz seu dever de combater estes acontecimentos, mas parece que quanto mais tentam, menos resultado é visto. Se isso algum dia irá terminar ou não, é complicado de saber, mas resta a cada um fazer sua parte, levando seus filhos as escolas, cuidando com quem andam, e o que fazem. A redução da violência começa em casa.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Fogo & Água

É complicado distinguir o amor do ódio. Realmente não sei se alguém consegue. São sentimentos diferentes, mas se você pensar, iguais.
 
Como fogo e água, não podem existir sob o mesmo corpo. E pode parecer confuso, mas em determinados sentidos, eles podem.

O amor, tão puro, tão... Sem explicação. O ódio, tão triste, tão cruel. Porém, os dois, com uma forte ligação, a obsessão que nos levam a sentir pelo próximo. Por isso lhes dou um conselho: Nunca digam que odeiam alguém, pois vocês não odeiam. O ódio na real, não existe. É apenas uma desculpa, para explicar o fato de que guardamos alguma mágoa do outro alguém. 

pra você bonitão

Você, que mesmo sem querer destruiu corações, destruiu vidas.
Com o cruel costume que tem, desestruturou emoções, amizades.
E fez frágeis moças caírem.
Fez muitas terem insônia, enquanto outras desejavam dormir para contigo sonhar.
Fez muitas conhecerem o amor, e outras o temerem.
Algumas morreram de saudade; enquanto outras viveram, para que mesmo de longe, pudessem te ver.
Enquanto você poderia escolher, elas também tentavam, mas não mandaram em seu coração, e viraram oferendas a ti.
Tentaram te mostrar o sentimento mais belo deste mundo, e o que você via de belo era o corpo, o exterior delas.
Elas olharam dentro de ti, e você queria olhar dentro das roupas delas.
Não deu valor para o que tinha, o tempo passou e tornou-se um velho, sem beleza alguma, sem conteúdo também.
E nas mãos de uma bela mulher, hoje sofre o veneno de seu próprio feitiço.

você deveria saber

" Oi, senti sua falta. Gostaria de dizer que gosto muito de você, e não quero te perder. Então por favor, não se afaste mais de mim. "

Queria eu ter o poder de lhe dizer estas palavras um dia. Lhe dizer o quanto és importante, significativo. Mostrar-lhe através de atitudes, o que meu coração realmente sente.
Infelizmente há algo que me impede, que consegue ser mais poderoso que este amor que sinto, se é que posso chamá-lo assim. Aquele tal de medo, que estraga e sempre estragou vidas apaixonadas. O medo da rejeição, da verdade, do próprio coração.
Perdê-lo talvez seja complicado, mas a vontade de você pode, junto com minha coragem, derrubar estas barreiras que nos separam. O problema é o outro lado delas, o que me da mais medo. Terá continuidade este caminho? Haverá uma estrada para chegar a meu objetivo? É muito relativo quando você depende de outra pessoa. E eu dependo de você. De sua vontade para vir junto a mim, de seu coração para me deixar entrar, e de seu amor para encontrar a felicidade.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Sempre procurei os sinais, e não os encontrei. Quando não quis os encontrar, foi quando os senti .. Não saber o que dizer, e nem o que escrever.. Apenas sinto-os.

Cap. 30 - A penseira . Pág - 476


- Me desculpe - murmurou Harry.
Dumbledore balançou a cabeça.
- A curiosidade não é um pecado - disse ele. - Mas devemos ser cautelosos com a nossa curiosidade... sem dúvida...

domingo, 24 de outubro de 2010

Preciso de mais tempo

Hoje, depois de dormir muito, acordei e vi o quanto o tempo está passando rápido. E o quanto me falta tempo. Por conta disso, deixo de cuidar de mim; de quem está perto, ou longe; de meu blog. Penso que preciso ser rápida, para aproveitar os momentos ao lado de quem amo.
Tudo daqui alguns meses irá mudar, nada será como antes. Lágrimas caem de meus olhos, porém, entendo que mais cedo ou mais tarde iria acontecer... Evitei o magnifico, porque sabia que logo, logo esta notícia que ouvi ontem, iria chegar.
Imagino como será, se irei acostumar-me. Porém, só imagino... Saberei mesmo quando chegar lá, e aí, poderei ter certeza, de que eu tinha tudo, e só percebi quando perdi.

Cansei

Desta pressão que há em cima de mim, deixando-me sem ter para onde fugir. A tristeza que há em meu coração, e os sentimentos de culpa e mudança, tomam conta. Busco um lugar, um sentimento, um alguém.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Take A Bow

A música e as palavras são meu refúgio. Não há nada mais especial no mundo do que a melodia, letras. Por isso, através delas vou postar. É isso aí, trechos de canções, que eu dedico a este momento, e a você. Não preciso dizer seu nome, leia, e entenda (:

You look so dumb right now,
Standin' outside my house,
Tryin' to apologize,
You're so ugly when you cry,
Please, just cut it out.
Don't tell me you're sorry 'cause you're not,
Baby when I know you're only sorry you got caught,
But you put on quite a show (oh),
You really had me goin',
And now it's time to go (oh),
Curtain's finally closin',
That was quite a show (oh),
Very entertainin',
But it's over now (but it's over now),
Go on and Take A Bow, ohh ohh.



segunda-feira, 4 de outubro de 2010

.

Se acreditares tanto em alguma coisa, ela viverá e será eterna.

viciados em amor

Eu não sei o que há de errado comigo, não sei o que sinto, por isso não consigo concluir se já gostei de alguém. Falo tanto em amor, aqui no blog, na minha vida em geral, mas não sei se ainda o senti. Na verdade, posso lhes dizer que com toda minha certeza, afirmo que nós, seres humanos, somos viciados em amor.
Não importa de qual maneira seja, todos nós queremos amar. Queremos até mesmo, ser rejeitados em um amor não correspondido. Muitas vezes, já esquecemos alguém, porém colocamos em nossas cabeças a ideia de sentir este sentimento, a qual será o único meio de encontrarmos um belo fim para nossas vidas. Iludimos a nós mesmos, pois gostamos de sofrer, de rir desta situação. Nossa única satisfação, é amar, não importa se para isso tenhamos que mentir, magoar.
Crescemos ouvindo, que só há um amor, o primeiro, único, inesquecível. Porém, devo lhes dizer que o único e inesquecível, é o ultimo .. E ele pode ser o primeiro, o segundo, o terceiro... É confuso, esta vida é confusa, o amor é confuso. Mas se houvesse respostas para estes enigmas, nenhum de nós desejaria este desconhecido, proibido e encantador sentimento viciante.

domingo, 3 de outubro de 2010

'

Uma única palavra, pode restaurar um coração partido.

Eu sou assim...

Uma idiota, sem coração. 
Erro, por não saber demonstrar àqueles que me querem bem o que sinto.
Não sei quem sou, e quem são meus amigos.
E infelizmente, só consigo dar valor à algumas pessoas quando as perco.
Sou um ser humano, que neste momento não consegue parar de chorar.

I don't know

Eu realmente nunca tive vontade de expor minha vida pessoal por aqui - diretamente - mas meus sentimentos neste momento tomaram conta de mim, impedindo-me de controlar meus impulsos. 
Sinto-me sozinha, perdida, errada, culpada. Não tenho com quem conversar, a quem contar meus problemas. Não sei se devo chamá-los de "problemas", mas se estão incomodando-me, acredito que sejam. Estou cansada, com medo, solitária.
Penso, por que hoje, está tudo desta maneira. As pessoas interpretam mal as coisas, e não confiam em seus próprios "irmãos". Lágrimas escorrem de meus olhos, enquanto tento encontrar palavras para expressar o que sinto. Não sei que rumo tomar, não sei a quem pedir perdão, e ainda não sei no que errei. Ou, talvez eu saiba, mas temo encontrar estas respostas em meu coração.
Há tantas coisas acontecendo, para deixarem-me confusa. Mas lembro-me, que pedi por isto. Esta vida agitada, entre altos e baixos. 
Então, vou terminar por aqui. Talvez tenha sido o pior post de meu blog, até mesmo porque, não tenho forças nem mesmo para deixar as palavras fluírem. A dor que há em meu coração, aquela que pensei que nunca sentiria. Desculpem-me, por este texto confuso, distante e até mesmo sem final.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Traçado por escolhas

Toda e qualquer decisão que tomamos terá consequências. Porém, em nenhum momento podemos deixar de viver nossas vidas, por medo de errar, por medo de caminhar. Temos de admitir, chegará um dia em que nos decepcionaremos, ou decepcionaremos alguém... Mas é um ciclo, não há como evitar, mais cedo ou mais tarde devemos enfrentá-los.
São nessas horas que pensamos "Se eu pudesse voltar no tempo..." SE ! Realmente, não adianta pensar nessas pequenas atitudes que poderíamos ter tomado. Aconteceu, passou. Ninguém tem poder para voltar e arrumar as coisas, mas podemos seguir e mudar o fim.
Existe um significado por trás de cada pequeno fato. Talvez não o consigamos ver, mas não será preciso muito tempo para que isso aconteça. Quando menos esperarmos, as respostas virão, e com elas, mais linhas tortas para nos confundirem.

horóscopo destinado

Conheço muitas pessoas que não acreditam em horóscopo. Eu, ainda tenho minhas duvidas. Porém minha fé no destino nunca morre. E foi ele que trouxe a seguinte mensagem em meu horóscopo diário : "Plutão continua exigindo abertura, confiança e fé, pois as mudanças continuam e sem movimento não existe vida. É preciso entender que o que não faz mais sentido deve ser deixado para trás."
Vocês devem estar se perguntando, por que estou aqui, escrevendo sobre este assunto. Acontece, que hoje pela manhã, tive de ir a Pelotas pegar meu passaporte. Na viagem de volta à Camaquã, ouvi meu pai e minha madrinha conversando, e o que falaram, mexeu muito comigo. O curioso, foi que eu por minha vez, fingi que não escutei, dava-me por surda, enquanto ouvia música com meus fones de ouvido. Mas, a surpresa aconteceu quando cheguei aqui, e isso estava em meu horóscopo. O assunto que ouvi, "explicado em um mini parágrafo". 
Penso nessas mudanças, se farão bem a mim e aos que estão em minha volta. Reflito, e hoje vejo que é necessário, que quanto mais vivemos, mais mudamos. No inicio, sei que será incomodo, e até mesmo triste. Mas acho que aprendi, que às vezes devemos desistir um pouco de nossa "rotina" para ajudar os sonhos de quem nos quer bem. 
Termino por aqui, com esta explicação distante, confusa. Mas, é assim que sou, não é? Sou uma metamorfose ambulante, como diria a música do grande Raul Seixas. 
Um beijo pra vocês, e uma otima quarta-feira.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Cansada e perdida

Quanto mais vivo, mais sinto-me deslocada e perdida neste mundo. Não entendo muito do que acontece, nem mesmo do que eu faço acontecer. Alguns psicólogos diriam que é uma fase, que é normal na adolescência, e talvez seja, mas não consigo concordar com a maneira que vivemos hoje.
Amizades desfeitas por motivos bárbaros, vidas destruídas por pequenos erros, e pessoas usando máscaras em todo o lugar. Ninguém realmente se conhece, todos escondem seu verdadeiro eu, sem nem saber o por quê. Você não sabe o que e quem é seguro, cresce aprendendo a não confiar, tornando-se frio, ignorante.
O que mais me incomoda, é o fato de muitos serem o que não são, e pensarem só em si. Aquele tipo "sempre amigos, mas quando aperta nem conheço". As pessoas tornaram-se falsas, distantes. Protegem-se, e orgulhosas detestam admitir que erraram com alguém, bancando a chamada "vitima".
A única coisa que posso lhes afirmar é que estou cansada de tudo. Porém, sinto-me vitoriosa em ver que consigo vencer estes problemas que a vida nos trás, e não procuro outros meios para fazer isso. Então, cansada e com muito sono termino por aqui, e lhes peço desculpas se acharem que foi um post "sem noção". Eu apenas necessitava, mais uma vez, expor os medos e ideias que tenho sobre este estranho planeta chamado Terra.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

 true

A verdade é, que por mais insignificante que algumas pessoas sejam consideradas, todas são parte de um grande quebra-cabeças que é esta vida. E você só as percebe, quando já não estão mais lá.

Boatos...

Realmente ninguém sabe como surgiram. Não há quem confirme que começaram a ser "utilizados" em tal época, pois é meio impossível. A verdade é, que eles sempre estiveram conosco, e não é preciso ser um sábio para concluir isso.
Fofocas, boatos... Portas para intrigas, inimizades... Sem nem perceber, grandes laços podem ser destruídos por pequenas histórias inventadas. E infelizmente, nunca é descoberta a verdade, não sabe-se quem inventou-os, e como tiraram a conclusão de que poderiam espalha-los.
Se cada um cuidasse de sua vida, talvez eles não fossem tão corriqueiros. O que devemos fazer no entanto, é evitá-los, cuidarmos de si, e aceitá-los, como tudo o que é ruim neste mundo.

domingo, 26 de setembro de 2010

Por que não?

Geralmente quando chego de uma festa, após meu pai abrir a porta para mim, ele vai deitar-se. Eu por minha vez, sento-me no sofá e relembro praticamente tudo. Pode parecer meio idiota, mas acredite, para mim é relaxante.
Penso nos “erros” que posso ter cometido, nas decepções que tive e até mesmo nos momentos “oba”, “ual” que aconteceram comigo. Relembro as pessoas que estavam lá, e com minha paixão por observá-las, divirto-me com as bobagens que possam ter feito. Afinal, uma festa sem "erros" não é festa, vamos combinar!
Estes meus pensamentos podem parecer como disse no início, idiotas, e agora os relendo aqui, achei-os infantis.  E vocês até devem pensar, o por quê de eu estar escrevendo sobre isso aqui no blog, que não faz muito o gênero dele. É que como se sabe, ele reflete a mim mesma, e ontem talvez eu tenha visto coisas que me decepcionaram.
Mas... Acontece não é? Como eu sempre digo, em um momento de nossas vidas alguém nos decepcionará, e nós decepcionaremos também. O que importa, é seguir em frente, pedir perdão e aceitar o perdão. Seja você mesmo, não faça coisas que não queira para agradar os outros, ou propositalmente decepcionar alguém. Apenas viva intensamente e curta suas festas, porque como me disseram, vida só temos uma, então por que não aproveitar?


quarta-feira, 15 de setembro de 2010

O costume do comum

O ser humano é um ser surpreendente, e ao mesmo tempo, decepcionante. Inquestionável, admirável e inconstante, busca algo o qual ninguém desvendou, nem o próprio.
O planeta Terra de hoje, não é o mesmo de alguns anos atrás. As pessoas não são mais as mesmas. Pouco a pouco, perderam sua essência, seus valores. Acostumaram-se com a ideia de que as coisas são como são, e não há o que fazer para mudá-las. Segue-se então, uma vida monótona; assustam-se, com repentinos e pequenos deslizes. O medo do desconhecido surge por consequência disso, e muitas guerras, também. Aparenta-se que tudo deve ser corriqueiro, e o chamado diferente, é errado. 
Se todos desejam mudar o mundo, por que não é visto resultado nenhum? Promessas, palavras ditas em vão. Os costumes, a rotina, dominaram a todos. A questão é, que para encontrar felicidade, às vezes é necessário fugir dos planos, tomando rumos diferentes.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

cap. 23 - Lágrima Vermelha

A vida é um jogo. Posso lhes dizer que é um jogo de xadrez. É você contra o futuro, contra o destino. Nunca sabe qual será a próxima jogada de seu adversário. Por um momento, tudo pode estar indo bem pra você, e de repente, parece que é o fim. Passei minha vida inteira neste jogo, sem saber quando ele chegaria ao fim. Quando pensava que estava tudo bem, que finalmente havia alcançado a felicidade, os problemas voltavam e com ele a desgraça. E ver minha irmã caída aqui, com minhas mãos sobre seu corpo gritando por ajuda, enquanto as lágrimas mais sinceras de minha vida escorriam sobre minhas faces, acreditei ter perdido.
Os traficantes fugiram, tiraram a vida de uma mulher inocente, apenas para uma dívida ser paga. Minha consciência foge de mim mesmo, meu único desejo é acabar com a vida de cada um daqueles homens. E após isso, matar-me para ficar junto de minha irmã. A dor é inexplicável, é apenas dor.
E por um momento, as ruas não estão mais vazias... Parada sobre um poste de luz, vejo Caitlin. Grito seu nome, peço ajuda, e ela nada faz. Apenas me observa.
– Caitlin, me ajude, precisamos salvar Mary!
– Não... – Sem entender, chorando, suplicando, pergunto:
– O que está havendo?
– Você, sua família, minha família... É isso que está havendo. O mal rodeia vocês, não vê? Em sua vida inteira, desde o momento em que nasceu, ele estava sobre seu corpo. Mas nós não poderíamos deixar que um dia o destino levasse você a perto de nossos iguais, deveríamos dar um fim nisso.
– O que está querendo dizer?
– É isso que entendeu amorzinho! Tentamos matá-lo desde o momento que nasceu, mas não conseguíamos entender porque você e sua irmãzinha de lixo se safavam. Então descobri que vocês tinham dois protetores: Kate e Hudgins... Ah, aqueles dois não tinham jeito mesmo! Então os matei... E aí mandaram eu me aproximar, descobrir o que conseguia sobre sua vida. Mas agora com esse filho, não posso deixar que você atrapalhe mais nada, isso merece um fim!
Naquele momento pensei que tudo o que havia acontecido, a carta, os pais biológicos, o medalhão... Estava muito confuso. Em minha vida inteira, vivi sobre mentiras... Minha irmã estava morta, e minha namorada era a pessoa que causou todas as mortes das pessoas que amei. O que nós éramos? Não conseguia entender.
De repente ela avançou pra cima de mim, empurrou-me e me fez bater contra um muro. Jogado no chão, unindo forças para lutar, tentando ser forte, comecei a lembrar de todos aqueles que foram especiais minha vida... Kate, Hudgins, David, Sophie, Joanna, Alberto, Vovô, Vovó... Mary! O ódio de ver minha irmã morta dominou-me e pulei para cima de Caitlin, o amor de minha vida. Arranquei a faca de suas mãos e a enfiei em seu coração. Naquele sangue que jorrava de seu peito, vi o mais lindo e eterno amor, morrendo lentamente.
É como se minha vida tivesse terminado, as pessoas que amei, todas mortas. Sozinho, novamente. Enquanto estava em cima de Caitlin, seguranças chegaram, e escutei um barulho. O tiro dessa vez havia sido em mim.
Rastejando em direção ao corpo de minha irmã, meu único desejo era morrer ao lado daquela em que minha vida inteira acompanhou-me. Foi ali no fim, que eu aprendi realmente o significado da vida. Enquanto meu sangue escorria, encontrei as respostas que precisava, as pessoas que amava. Talvez minha ex-namorada doentia tivesse razão, o mal poderia estar ao meu redor, talvez minha morte salvasse alguém. Isso eu nunca iria descobrir.
A única coisa que posso lhes afirmar, é que muitas vezes em nossa vida, pensamos conhecer as pessoas em nossa volta. Apontamos seus defeitos, qualidades, e acreditamos assim ter o poder de julgá-las, de dizer como são. Nunca saberei se as pessoas que passaram por minha vida, foram salvação ou derrota. Só sei que é por conta destes julgamentos, que cada vez mais nos espantamos com o ser humano.
Tudo ficou escuro, havia perdido muito sangue, e então adormeci eternamente.
luiza delamare, 10-06-2010
(ultimo cap. do livro feito por minha turma

sábado, 11 de setembro de 2010

a melodia de seu coração

Como o vento, você não a vê. Apenas a escuta e a sente. Esta maravilhosa criação de Deus não merece explicações, pois nem há. Emocionante, e ao mesmo tempo revoltante, a música abre portas em nosso próprio coração, fazendo-nos refletir-se nela. 
A fusão das belas palavras de um escritor, com uma melodia vinda de nosso interior. Sentimentos transformados em letras, formando um belo poema. É simplesmente tudo o que existe neste mundo, dela não há como fugir. Afinal, ninguém teria forças para correr contra.
Uma música pode dizer mais do que mil palavras. Uma ação, significando muitas. Mas, realmente, não há definição concreta para ela. Pergunto-me, por que há tanta admiração? Mundialmente? Deve ser o amor que nela há, o desejo de expressar coisas que muitas vezes temos medo de gritar ao mundo. É possível interpretá-la com nosso corpo, nossa voz, nosso espírito! E aqueles que ainda não a encontraram dentro de si, não vivem intensamente.

domingo, 5 de setembro de 2010

observação

Em nossas vidas, pessoas vêm e vão... Algumas permanecem em nosso lado por muitos anos, enquanto outras estão apenas de passagem. Em 14 anos que vivo neste planeta, acredito que o que eu mais tenha feito é observar os seres humanos. Admito, que o temo, temo a mim mesma, mas realmente os admiro.
Acabei acostumando-me com as tais máscaras, esconderijos e mentiras. Estes meios que muitos usam, para mostrar o que não são, e talvez para provar algo a alguém.
Às vezes, quem você pensa ser feliz, que sempre está bem, pode ser aquele que chega em casa, olha a sua volta e chora, sem entender o por que. Ele apenas é triste, sente um vazio em seu coração. E isso não o impede de ser o chamado "popular", pois nada adianta ter inúmeras pessoas em sua volta, se nenhuma significa realmente para você.
Com tais atitudes, concluo que nós, seres humanos, temos muitas necessidades. Amigos verdadeiros, amor verdadeiro, sucesso!  Todos querem, poucos disponibilizam-se a correr atrás, e muitos, tentam, mas fracassam. Aqueles que conseguiram, não são os que esconderam-se. Foram eles mesmos, sofreram e demonstraram ao mundo. Não importaram-se quando alguém falou que só queriam chamar atenção, ou "fazer drama"; eles seguiram em frente, mesmo com desafios, problemas, barreiras. Jogaram suas máscaras, não as usaram, não fingiram, enquanto necessitavam.

sábado, 4 de setembro de 2010

a verdade do medo

Ao som de Taylor Swift, e uma excelente conversa com uma amiga, inspiro-me para escrever agora. O assunto do momento? O medo. Ele o qual atormenta a mim e a muitos. Aparenta haver uma perseguição. Músicas, textos e até fotos demonstram-me ele.
" I was the flight risk with the fear of fallin' "
Poucas palavras podem expressar o que sinto, o que sentimos. Muitas vezes nem elas são necessárias, basta um olhar, um pequeno gesto.
Realmente gostaria de descobrir por que muitos têm medo, por que ele existe. Será que ele não é preciso? Para avisar-nos que algo é perigoso? Para perguntar-nos se estamos dispostos a enfrentar tais desafios?
Muitos, não conseguem lidar com ele. Deixam que os domine, os destrua. Obcecados, esquecem até mesmo de viver, de caminhar, por medo de cair. Perdem sua vida, para ao final ver o quanto foi desnecessário tanto cuidado.
Não sou ninguém para decifrar o medo, mas por minhas experiências posso lhes afirmar que tê-lo, é só uma maneira de impedirmos a realização de muitos desejos. Uma barreira, que exige certos sacrifícios para ser vencida.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

desconhecido

Necessito ser apresentada a alguém muito especial. Um desconhecido, o qual sei pouco. Um ser humano, cheio de ideias, opiniões, e pensamentos distintos. O temo assim mesmo, pois não o conheço.
Pelo pouco que sei, ele não sabe o que quer, e teme o que quer. Espera uma luz que o guie, o encontre e o salve.
Este ser que desejo tanto conhecer, chama-se Luiza Nogueira Delamare, e preciso entendê-la antes que seja tarde.

Two Is Better Than One

Um dia você acorda, e ve que a maneira que tem vivido nem sempre é a correta. O que você pensou ser, não era. O que você não quis, aconteceu. O desejo de voltar atras, domina-te por inteiro.
Há aqueles que pensam, que uma vida solitária é menos sofrida. Outros, necessitam de amigos, para assim sentirem-se em paz. Enquanto algumas pessoas, precisam de uma única, para encontrar seu paraíso.
De que adianta evitar tanto um sentimento, para no final, render-se a ele? Sua batalha acaba sendo em vão, e você repensa se suas escolhas nos ultimos tempos foram concretas.
Realmente não entendo, mas neste momento, ao som de two is better than one, consigo pensar apenas nisso. Talvez seja pelo fato da musica passar a mensagem, que dois é melhor que um. Duas pessoas, um só coração?
É complicado descobrir uma resposta, quando você não conhece a si mesmo. Resta a mim, continuar com a mesma certeza, o mesmo medo, o mesmo esconderijo.
  
So maybe it's true that I can't live without you
And maybe two is better than one
There's so much time to figure out the rest of my life
And you've already got me coming undone
And I'm thinking two is better than one

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

pétalas da amizade

O dia em que pensei na amizade, baseei-me em uma flor. Tudo começa com uma pequena semente, quase invisível quando você a planta. À medida que o tempo passa, se cuidarmos dela, dando atenção, amor, carinho, cedendo um pouco de nosso tempo, elas crescem, e tornam-se fortes, belas.
Chegará dias em que grandes tempestades virão tentando derrubá-la, mas se por ela sacrificar-se, tudo ficará bem. Deve levantá-la quando cair, pois com certeza algum dia, um beneficio ela trará para ti.
E não há gesto mais amável, do que o de um amigo ao seu lado.

domingo, 15 de agosto de 2010

Barreiras

Lembro-me do dia em que me falaram: Não adianta haver tantas ideias, se nada é posto em prática. E é exatamente assim que me sinto ultimamente. Digo que farei inúmeras coisas, mas nada faço. Quanto mais falo, menos concretizo. 
Penso, que gostaria de nascer com o mundo e sonhos impostos à minha frente, nascer e viver da maneira que sempre quis. Tudo em função do medo de lutar, errar, dominando-me cem por cento. Você acaba ganhando este medo, de se machucar, após tantas quedas, ou não. Realmente, eu acho que nem tenho motivos para isso. Quero dizer, deveria perguntar-me de onde vem este medo, e não o encontro. É desconhecido, como cada passo que dou em minha vida.
Sinto-me uma idiota pelos desejos que tenho, muitas vezes egoístas. O desejo de morrer antes de todos que amo, por exemplo, aparenta ser porque tenho medo de perdê-los. Mas eles, como se sentirão? Mal, talvez. Me culpo por ser um ser humano, mas de nada adianta, é o que sou, devo me aceitar desta maneira, pois ninguém me aceitará. 
Acredito, que devo acordar para a vida, e pessoas maravilhosas que tenho, dedicar-me a elas, e a meus sonhos. Perdi tantos, quem sabe realizados hoje, apenas pelo medo de tentar e cair. Rirem de mim, falarem de mim. A preocupação com o que os outros pensam, talvez seja a barreira que eu tenha de enfrentar. Porém, a única certeza que tenho é que antes disso, preciso de alguém para nesta jornada me acompanhar, ajudando-me a levantar.

terça-feira, 13 de julho de 2010

Game

"A vida é um jogo. Posso lhes dizer que é um jogo de xadrez. É você contra o futuro, contra o destino. Nunca sabe qual será a próxima jogada de seu adversário. Por um momento, tudo pode estar indo bem pra você, e de repente, parece que é o fim."

Este é um pedaço de um livro que escrevi com minha turma. A cada dia, um aluno pegava e continuava a escrever uma história, cheia de romances, ideias, emoções. O capitulo final ficou por minha conta, o que levou-me a começar com aquele parágrafo. Só posso lhes afirmar que a vida é assim mesmo. O que nem passa por nossas cabeças hoje, pode ser o acontecimento do amanha. Não julgue ninguém, não julgue a vida. Não se iluda, a realidade é tão cruel. Não tente descobrir como são as pessoas, apenas deixe-as que passem por suas vidas, deixando suas marcas. Pois é por conta de muitos julgamentos que fazemos, que acabamos nos espantando ainda mais com o ser humano.
Ah, e comprem nosso livro, que logo estará a venda! 
Termino com estas humildes, e talvez bobas palavras, por aqui esta noite, 
XOXO                 
Luiza Delamare

where ?


As palavras soam livremente, e com elas meus sentimentos. Ao mesmo tempo em que consciência me falta para entender o que digo e escrevo, o desejo de colocar para fora me domina. Não há explicação racional para minha situação, simplesmente como não há explicação para nada neste mundo. Sem sentido, sem razão.
A melodia que escuto apenas ajuda-me, a arrancar estes sentimentos, ou, este sentimento. É confuso, para qualquer ser humano. O desejo de liberdade, o desejo de voltar atrás aos erros que cometi. O desejo de fazer diferente, o desejo de realizar o sonho. Os sonhos.
Em um mundo complexo, onde cada vez mais encontro rostos repletos de tristeza e falta de fé, ainda tenho esperança em encontrar a esperança. Talvez ela demore, mas não desistirei. Encontrarei o que necessito, quem necessito, as respostas. Quem eu sou. E quando isso acontecer, sentirei novamente, e encontrarei meu céu no meio deste inferno.

sábado, 3 de julho de 2010

Nunca duvide de sua fé

Ao fazer a reunião do ONDA deste sábado, aprofundei-me no assunto sonhos. O que me fez refletir... O que são sonhos? Pra que servem? Como, e o que fazemos para realizá-los? E o que podem prejudicar e melhorar em nossas vidas?
Mais uma vez, minha cabeça fica repleta de duvidas, o que não é novidade. E meu instinto de descoberta disse-me que desistir nunca é o melhor caminho. Afinal, é como funciona com os sonhos, como funciona a vida! Imagine se algumas pessoas tivessem desistido, será que viveríamos no mundo em que estamos hoje? Acredito que não.
Quando digito sonhos no Google, as primeiras coisas que aparecem são: Sonhos e seus significados! Fico curiosa em saber por que os mais famosos são aqueles sonhos de olhos fechados, que necessitamos dormir para ter. Talvez, seja porque quando sonhamos, podemos ser qualquer pessoa, qualquer lugar, qualquer coisa. Mas será mesmo, que não há maneiras de ser um grande sonhador, sem mesmo pregar as pálpebras?
E é disso que sou feita. Sonhos de uma menina, que não necessita fechar os olhos para tê-los, e que sabe que o impossível, é uma palavra inventada por aqueles que temem tentar o desconhecido. Tenho fé, e é isso que me fortalece cada dia mais. Posso cair inúmeras vezes, mas será assim que aprenderei qual caminho seguir, e como desviar de tantas pedras.
Só há apenas uma coisa que me entristece: sonhos que o ser humano esqueceu... O sonho de amar, o sonho do perdão, o sonho até mesmo de sonhar. O sonho de ser alguém, o sonho da paz. O sonho da confiança, da amizade. Os sonhos de Deus... Sonhos, que estão em nossas mãos, pedindo para que não desistíssemos deles. Aqueles os quais verdadeiramente importam,  só que para cada um de nós parece não ter valor. Parece que acreditamos que eles irão cair do céu, que Deus nos dará. Mas quem sabe, ele não está dando a oportunidade de realizá-los?
Digo-lhes, que nunca deves duvidar de sua fé, pois um dia o homem duvidou que existisse algo além do mar, duvidou que fosse voar, duvidou que pudesse até mesmo chegar ao espaço, mas sonhadores provaram, que quando se luta, se alcança seus objetivos.


quarta-feira, 23 de junho de 2010

Ilusão Mortífera

Atualmente a droga tornou-se um assunto comum entre os jovens. Fala-se dela de um modo tão simples, que aparenta ser tão fácil parar quanto é começar. Por outro lado, há os que temem em apenas ouvir este substantivo. Digo-lhes, que nenhum destes exemplos está correto. Não se deve utilizá-la, mas também não se pode temê-la. Nossa missão é vencê-la! Temos de ser fortes e corajosos, ajudando aqueles que acreditam não ter saída. Dar esperanças e apoio a eles exige muito esforço e determinação. E pode parecer complicado, mas não é impossível.
As drogas são o início da caminhada para o destino morte. Os primeiros passos são belos, falsos, e quando nos damos por conta, é tarde. Sofrimento, dor, horror passam a fazer parte do cotidiano daqueles que desejam o bem aos dependentes. E mesmo não as utilizando, sentem toda a desgraça, mas não perdem as esperanças.  Fazem isso, por amor... Afinal, qual outra maneira de suportar?
E por que as pessoas se drogam se sabem que lhes faz mal, que é proibido? Bem, conheça o ser humano. Acredito que nossa covardia nos faz procurar um refúgio nos momentos difíceis, e acabamos nos rendendo a ela. Uma maneira de fugir de nossa realidade, esquecer os problemas, ter felicidade. Cegos pelo vício, não vemos as dificuldades que isto trás a nossa vida, e esquecemos nossos próprios valores para viver em uma ilusão mortífera.
Vontade nos dá de voltar atrás e fazer tudo diferente. Seria mais fácil se tivéssemos encarado os problemas que a vida nos trouxe, e não desistido. Felizmente, há sempre uma segunda chance. Existem aqueles que vão sempre lhe ajudar, enviados pelo Pai a fazer a sua parte. Pois evitar e lutar contra as drogas, é compromisso de cada um de nós, e para mudar o mundo, é necessária uma ação de amor e carinho de cada vez.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Lost - The End


Há algumas semanas atrás milhares de fãs brasileiros grudaram-se na televisão das 20:00 hrs até a 00:30 .. Por que? O fim de Lost. Choraram, gritaram, vibraram, emocionaram-se. Foram os mistérios e nenhuma resposta que nos deixaram com mais vontade de acompanhar a série durante todos esses anos. E mesmo nos últimos capítulos, nem todas as perguntas foram respondidas, mas como disse Jorge Garcia: "Se tudo fosse revelado, não seria Lost". Imaginamos, criamos teorias e desejamos que nossa amada série não tivesse terminado. Seu fim? Chocante, incrível! Como foi informado na Zero Hora, iríamos amá-lo ou detestá-lo. Bem, posso lhes dizer que lágrimas brotaram de meus olhos, sentindo saudade.
Depois de tanto tempo, é complicado imaginar como serão minhas terças-feiras, sem sentar-me em frente a TV, e não dar uma piscadela. Como não consegui passar aqui e postar antes, por falta de tempo, já vivencio estas cenas, e bem quando chega a noite viro-me para meus pais e digo: QUE SAUDADE DE LOST. E então, repenso e vejo que isso é maior que uma saudade. Até mesmo, sonhos tive com esta ilha misteriosa. Realmente, mexeu comigo. 
O jeito como cada personagem conquistou-me, é inexplicável. Com defeitos, qualidades, problemas, eles demonstraram-nos pessoas comuns, fazendo identificarmo-nos com eles. Foram para Ilha, para se encontrarem. Jacob e o pai de Jack nos deixam claro tudo isso nos últimos episódios, mas não posso entrar em muitos detalhes se não vou estragar a surpresa. Só sei que ali na Ilha, a vida de muitos melhorou... Ou não. 
Torcemos pelos romances, ficávamos nos perguntando quem era o bem, quem era o mal, queríamos saber quando eles iriam sair da Ilha, e se estavam mortos ou não... Afinal, o que era a Ilha? São perguntas, que serão ou não respondidas, basta acompanhar esta ultima temporada. Se nunca viu, não é tarde, alugue os DVD's e veja desde o inicio essa série, que mudou a vida de muitos telespectadores!