sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

"Fim dos Tempos"

Nunca escrevi sobre religião ou fé. Porém, após a madrugada de hoje, me senti obrigada a compartilhar algumas ideias aqui...
Estava passando por uns sites aleatórios, e acabei encontrando um religioso. Aparentemente católico. Decidi ler seu conteúdo, e fiquei realmente assustada. Cada moderador nomeia-se "Repórter de Cristo"; Porém, ao ler o que eles escreveram, questiono-me se Cristo os apoiaria.
Tenho por experiência e educação a ideia de que cada ser humano é livre para fazer suas próprias escolhas. Fui criada em uma família de católicos, porém meus pais nunca me obrigaram a fazer algo que eu não quisesse, do mesmo modo que nunca me impediram de seguir alguma religião. Desta maneira, "criei" minha própria fé. Nasci batizada na igreja católica, mas enquanto crescia, vivenciei coisas que fizeram com que eu mergulhasse de coração e alma no espiritismo.
Não gosto de rótulos, nunca gostei. E honestamente, não sei se me encaixo em alguma religião. Antigamente era mais difícil admitir isso pra mim mesma. Sentia-me realmente pressionada, temia. Queria entender do que eu tinha medo, e sempre chegava ao mesmo ponto: O Julgamento. E não o julgamento de Deus, e sim o do ser humano. O grande culpado.
Aposto que alguns fanáticos, lendo minha confissão, dirão que isso é obra de Satanás. - Eu até poderia entrar na coluna "Fim dos Tempos" (Sim, existe. É uma coluna que cita exemplos de homossexualidade, entre outras coisas, como obra do Diabo) que há no site do qual falei no início. - Peço perdão à eles, mas eu sou apenas um ser humano que não se submete a aceitar tudo o que a igreja prega. Um ser humano que tem sua fé – e creio que esta seja a verdadeira fé, não se deixar levar pelos “grandes”, continuar acreditando no que lhe conforta.
Não é por aceitar a união homossexual, fazer uma tatuagem, colocar um piercing, ouvir e dançar Madonna, e até mesmo transar, que eu deixe de acreditar em Deus. Não é novidade pra ninguém que me conhece, que acredito e confio Nele. E se Ele me deu uma vida, era para vivê-la e honrar meus ideais. Afinal, de que adianta ir à igreja todo o domingo, e durante a semana ser cruel, e julgar todos que passam à sua frente?
São por essas e outras que o mundo está como está. Mesmo com boas intenções, há momentos em que exageramos em nossos atos "religiosos"; fazendo, então, com que muitos sintam-se "traídos", perdidos, desiludidos. Infelizmente, o único Satanás culpado de tanta desgraça que há no mundo, se chama ser humano.

OBS: Como tudo na vida, há o outro lado. Se explorássemos este lado, o bom da igreja, com certeza haveria mais fiéis. (Sei disso, porque já explorei, e vivi o melhor ano da minha vida ali).

domingo, 16 de dezembro de 2012

Desejo interno.

Creio que, finalmente, aceitei que a vida não é uma história de amor. Aceitei, mas isso não significa que eu pare de sonhar com alguém que encaixe perfeitamente em mim; Alguém que lute contra o mundo por um sentimento que compartilharemos. 
Por que Shakespeare não controlou a minha história? Ou qualquer outro romancista, que faz com que seus personagens encontrem o amor. Ou então, por que ele não escreveu o outro lado? O meu lado, em que o amor não é correspondido, onde sofro em silêncio, ou grito desesperadamente por ajuda. 
A verdade é que ninguém quer, ou pensa, em escrever sobre nós, os amaldiçoados, a maioria. As típicas histórias em que você passa a sua vida inteira na esperança de que isso passará. Onde desejamos ter o poder de controlar os sentimentos. 
Somos vítimas de um universo que conspira ao contrário. Apenas vítimas. Nenhum de nós escolheu amar o impossível; Foi a lei humana, o instinto; Aquele desejo interno de lutar pelo que vale a pena. 

domingo, 9 de dezembro de 2012

domingo, 2 de dezembro de 2012

Quando não encontro palavras,
deixo que um olhar, um movimento, uma imagem, ou um suspiro, 
descrevam o que se passa dentro de mim.



segunda-feira, 26 de novembro de 2012


Eu só queria, por um momento, sentir aquela sensação de início de romance de novo. Aquele frio na barriga, aquele desejo de "quero mais". Encantar-se por alguém, pode ser mais prazeroso do que um relacionamento em si. No início, há mistério e vontade de ver além. A cada mensagem recebida, a cada olhar, o coração dispara. Um buraco na barriga, quando o outro se aproxima. É tão lindo, tão puro, e tão idiota. E é isso que torna tudo tão perfeito. Aquela sensação de que há alguém querendo lhe conhecer, querendo ter você só pra ele.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Outra madrugada de reflexões, confusões, e um texto sem sentido.

Costumo ficar inspirada nas "madrugadas infinitas" - nas quais eu deveria estar dormindo - . Nessas, fantasio castelos, magia, música, aventura e fama. Consigo alcançar o céu, sem ao menos levantar de minha cama. Admito que viajo até mais do que deveria; Sonho com o impossível, e não me contento com pouco! Está escrito em mim que não nasci para aceitar a exatidão das coisas, vim para quebrar regras
Querer fugir dos padrões, exige sacrifícios: Erros, derrotas, quedas, e muito julgamento. Ninguém disse que seria fácil, e perderia a graça se fosse. O que me incomoda, são aquelas horas da noite em que me perco no passado, sofrendo em silêncio. Posso aparentar ser uma pedra, mas dentro de mim há uma frágil criança, pedindo socorro, gritando por liberdade.
A parte boa da parte ruim da história, são as tamanhas reflexões que tenho. O que me leva a pensar que se aplicássemos a mesma intensidade dos sentimentos negativos, naquilo que nos faz bem, viveríamos em um mundo com menos dor. Em minha vida, falhei inúmeras vezes, mas fiz tudo intensamente... Fui eu mesma, sem medo. E aprendi que nada, nem a glória, nem a beleza, nem o poder são eternos. A eternidade está em quem você é, e em seus sonhos
É, e quem sabe eu tenha fugido das regras... Quem sabe eu tenha envergonhado meus pais; Quem sabe eu tenha envergonhado a mim mesma. Mas, a coisa mais importante que eu aprendi, foi que devemos buscar a felicidade, e não a perfeição. Até porquê, quem conseguiria viver organizado em um mundo bagunçado?

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

The one that got away

Resolvi colocar tudo em um papel: Meus sentimentos, a realidade, a esperança, eu e você. Percebi que era hora de aceitar, mesmo que o coração sufocasse. Mesmo que fizesse com que eu me sentisse presa em meu próprio corpo, enquanto tento correr para longe.
Gostaria de voltar ao começo. Não recomeçar, e sim, reviver cada segundo ao seu lado. Talvez consertar um erro, ou outro, que nos trouxeram até aqui. Porém, ao mesmo tempo que a esperança ilude, outra parte de mim tem certeza que tudo está como deveria ser, infelizmente. 
Talvez um dia eu nem lembre mais seu nome. Porém, o presente é difícil com sua ausência. Ao vê-lo, pareço um viciado em estado de abstinência. Controlo meus instintos, para não lhe abraçar, olhar em seus olhos e dizer "sinto sua falta". E honestamente, sonho com o dia em que teremos um final feliz. - Em outra vida, talvez... - Você seria meu, não haveria ciúmes, desavenças; apenas dois jovens compartilhando o sentimento mais puro do mundoNão faz bem, eu sei. Mas só quem já sentiu sabe o quão difícil é evitar olhar, pensar, chorar. Mesmo havendo certeza da indiferença do outro.
Admito que gostaria de ser menos egoísta, me contentando em lhe ver feliz longe de mim. Porém, meu maior desejo era ser o motivo de seu sorriso
"Eu tinha mania de fugir por ter medo de cair", e cometi esse erro com você. E cometerei com outros, é natural em mim. Porém, agora estou aqui, perdida com o coração partido. Não há culpas, apenas aconteceu. Mas, não estarei aqui para sempre, um dia estarei preparada para dizer adeus; talvez meu coração perceba que você já fez isso há algum tempo. Enquanto não acontece, me orgulho de dizer que você, até o momento, foi a melhor coisa que já foi minha.

domingo, 11 de novembro de 2012

Conclusão.


Reconheço que não sou linda. Não nos padrões da sociedade, não como deveria ser. Na realidade, não me encaixo neste mundo. Talvez por eu ser muito normal, ou muito anormal.

First Love

Aprendi que o amor não dura pra sempre.
E que, ao mesmo tempo, ele está eternizado em meu coração.


terça-feira, 6 de novembro de 2012

Alguns dentre milhões.

Há milhares de pessoas e de possibilidades no mundo. Porém, cada uma é única; o que parece impossível. São poucas as que nos dão a chance de conhecê-las e vivê-las, e dessas, um número mínimo define as que tocarão nossos corações.
A vida consegue ser tão instigante, que faz com que as casualidades se tornem destino, e o destino se torne casualidades. Fica difícil generalizar, quando pessoas que passaram a vida inteira ao seu lado, tenham tido menos destaque do que as que passaram segundos. É tudo questão de intensidade. Intensidade na hora do tato, do olhar, e até mesmo, da respiração. 
O único problema é nos prendermos à algumas pessoas, nos apegarmos de um modo que se torna impossível passar um dia sem elas - nem que seja apenas no pensamento. Alguns chamariam de doença, obsessão, loucura, qualquer coisa que pudesse ofender... Porém, enquanto muitos se escondem atrás de um sorriso, bons modos, bons dotes; Existem os corajosos, que demonstram seus sentimentos, sem medo de julgamentos, de não's, de ter um coração partido... Costumo admirá-los, e chamá-los de verdadeiros artistas! 
Acreditem, viver de uma maneira insana e - talvez - assustadora, não é errado. Na realidade, não há razão para julgar o certo ou errado, porque não há. E queridos, enquanto vocês perdem tempo analisando os fatos, eu ganho tempo vivendo.

domingo, 21 de outubro de 2012

Todo o passeio tem um fim.


A vida é como andar em uma montanha russa. Há curvas, loopings, altos e baixos. Durante o percurso, inúmeras pessoas se divertem, choram, riem, sentem medo... Todas juntas, curtindo o emocionante e surpreendente passeio. Porém, no fim, tudo termina onde começou... Cada um por si. E infelizmente, é doloroso ver que alguns sejam obrigados a se retirarem antes, deixando um grande vazio no assento ao lado. 

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Mesmo sabendo que um dia a vida acaba, a gente nunca está preparado para perder alguém. 
(A Última Música)

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Vocês a são minha inspiração.

Costumo utilizar minhas experiências e conversas diárias de inspiração. Não é algo que eu controle, simplesmente acontece. Gosto de observar. Não de uma maneira ruim, muito pelo contrário... Sempre procuro ver o melhor em tudo e todos, creio que isso não seja errado. É arriscado, sim. Mas, se não corrermos riscos, qual é a graça de viver?
Ao longo de minha caminhada, tenho conhecido seres interessantes. Humanos ou não, todos tem uma importância; Talvez por um sorriso, um olhar profundo, ou aquela melancolia silenciosa, escondida atrás de muita "maquiagem".
[...]
Não há como negar, cada pessoa é única e insubstituível; e é uma pena, que muitas vezes, pensemos o contrário. Já tive dias e noites, nos quais uma dor tomara meu coração, enquanto pensava: "O que estou fazendo neste mundo? Qual, de fato, é minha importância?" Enlouquecia em minhas próprias dúvidas, inseguranças e paranoias. Mal percebia, que afogando-me no desespero, fiz mal a quem amava...
É assim mesmo, cegos por mínimas preocupações, esquecemos o que realmente importa e quem nós somos. O mundo pode ser injusto; E haverá dias, que sim, você irá crer que não existem forças para continuar... Mas confie em mim, há. 
Ninguém leva uma vida perfeita, as pessoas só tem maneiras diferentes de lidar com os problemas. Algumas com mais intensidade, outras com uma discrição difícil de desvendar. A única regra que devemos seguir é a de não guardar mágoas. Só machuca e sufoca. Lembre-se de que você não é invisível, e não está sozinho. Não há motivos para se esconder, quando existe alguém incrível em seu interior, louco para mostrar seu valor.
Posso não ter grandes talentos como, cantar, dançar, pintar... Mas sei observar, os mínimos detalhes. E talvez seja esta minha missão de vida, mostrar aos outros o quanto são importantes, e que devem permitir isso a si mesmos. Caso ainda não tenham percebido, vocês são a minha inspiração, muito obrigada.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Era uma vez EU.

Era uma vez eu... Que sonhava em viver o mundo. Sentir tudo o que fosse possível, intensamente! Do meu jeito, errei e aprendi, caí e levantei, chorei e sorri. Chorei por amores, amigos, irmãos... Até que um dia parei e refleti se, minhas lágrimas de amor, foram mesmo de amor.
Descobri que, existe uma grande diferença entre chorar por alguém, e chorar por ter sido estúpida a ponto de acreditar em certo alguém. Que às vezes, pensamos estar sofrendo por amor, mas na realidade, estamos sentindo a própria culpa de não termos sido tão inteligentes. Porque nós somos capazes! Ninguém é idiota, só escolhe ser. O que infelizmente, é algo que o ser humano ainda não conseguiu controlar.
Aos poucos, fui revirando o passado, ri de meus próprios erros, lembrei de coisas que havia esquecido... Não é saudável olhar para trás, mas às vezes, pode ser divertido. Nostalgia pode resultar em riso.
Percebi que há alguns anos, eu era tão pequena e pensava ser tão grande... Achava que meu primeiro amor de criança, - aos meus 11 anos - iria ser eterno; E então, veio o segundo... Eu tinha 13 anos, e aquele menino me beijou. Porém, ele tinha namorada. Ela na cidade dele, e eu na minha. Fui usada, chorei... Mas acima de tudo, aprendi. 
Em 2010, nos últimos meses de meus 14 anos, conheci um sentimento mais forte. Posso lhes dizer que foi incrível, lindo, porém complicado. Nunca gostei de coisas fáceis, e é claro, o "amor" para mim não poderia passar de um mero desafio. Eu gosto mesmo do impossível! Mas, passou também... E esse, não me fez derramar lágrimas por errar comigo. Derramei lágrimas porque eu errei com ele, reconheço. É assim mesmo, se eu gostar do cara, vou magoá-lo.
E finalmente, chegamos em 2012... Uau, que ano! Aquele coração de pedra dentro de mim - difícil acreditar, mas sim -, amoleceu. No início, resisti. Cometi o mesmo erro de 2010. Mas não havia motivos para fugir, além de minhas anomalias. Eu precisava de atenção, carinho e compreensão, mas nada era suficiente. E o que era, estava ali, e a besta aqui, fugiu. Tentei negar a mim mesma tantas coisas, por meses... Até que chegou o dia em que abri mão do orgulho e do desejo de algo perfeito, e tentei voltar atrás... Infelizmente, foi tarde. Eu não desisti. Por um momento, tudo parecia tão incrível; E então, algo que soaria como uma vingança, fez com que tudo perdesse o sentido. Pela primeira vez em toda a minha vida, um homem conseguiu me deixar sem rumo.
Vocês devem estar se perguntando - caso tenham aguentado ler até aqui -, por que lhes contei essas histórias... Quero lhes mostrar, meus caros amigos, que na vida iremos ter tantas experiências, tantas lágrimas perdidas, tantas gotas de memória; que perder a batalha de hoje, não significa que vamos perder a guerra. Estas experiências não foram as únicas que me fizeram chorar, mas são as que marcaram parte de mim, e me ensinaram a crescer. 
Espero que um dia eu vá rir de tudo isso, e que nessa vida, eu ainda chore por muitos amores - Mas chore, como em todos os outros, por ter sido estúpida. E não por amar, porque isso sim, deve ser horrível -. Tenho orgulho de dizer que, com todas minhas anomalias e diferenças, em meus 16 anos de vida, já senti e observei detalhes inimagináveis: Sorrisos discretos, olhares vazios e intensos, corações partidos. 
Gostaria de finalizar este texto confuso, com um conselho: Se um dia encontrar uma pessoa especial, que o faça sentir-se especial, não a deixe fugir. Sei que falar é fácil, e que fazer é bem diferente. Acredite, haverá muitos "falsos especiais" que irão aparecer por aí para lhe confundir; Mas se abrir seus olhos, e encontrares aquele que, nos seus piores dias segura a sua mão, e não precisa de palavras para lhe confortar, agarre-o com força! Transforme esse ser humano em seu.

Obs: Clichê esse final, sim. Mas real. Todos nós merecemos um dia sentir isso... E quem não quer, que atire a primeira pedra. 

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Dê um tempo ao seu coração

Após percorrer grandes estradas, um descanso é necessário. Uma pausa para respirar. Para descobrir qual direção será seu próximo destino. Há inúmeras opções, e uma escolha. 
A insegurança toma seu corpo, o medo de se perder novamente, a faz recuar alguns passos. E recuar, pode ser fatal nestas horas. 
Não há mais para onde fugir, não existe saída. De um lado, inúmeras pessoas; Do outro, proteção; Atrás, apenas fantasmas; E à sua frente, misteriosas aventuras. Vale a pena se arriscar por um futuro incerto? Um futuro do qual você não tem certeza e controle? Ou será que deveríamos escolher um dos lados, onde em um há humanos, e em outro, proteção?
O nervosismo a faz enlouquecer... A dúvida entre o que é certo e errado, afeta seu coração; e quando este é atingido e chora, o cérebro - surpreendentemente - lhe diz: Oi, calma... Dê um tempo ao seu coração, ninguém gosta de se sentir pressionado.

sábado, 29 de setembro de 2012

Adormeceu, mas ainda está ali.


Com o tempo, o que era frenético, cansa e adormece. Você sente um alívio... Livrou-se de um peso, ou achou que se livrou. O sentimento cansa, a espera cansa, até mesmo a esperança, cansa. Insistir em algo que não tem volta, é perda de tempo. E seria burrice deixar que isso a impeça de viver. A vida é rápida e brusca, atrasá-la significa perdê-la. A questão é, aprender a controlar. Afinal, seu coração é como um vidro milimetrado, depois que o quebram, nenhum conserto o deixará igual. Haverá sempre algum erro, uma ferida, um fantasma para assombrá-lo.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

A verdade que sempre escondi.

Uma dica: Nunca tentem me entender. Digamos que, seja como andar em círculos... Você nunca vai chegar a lugar nenhum.
É, quem me acompanha (o que pode resultar em ninguém), deve estar se perguntando por qual motivo estou escrevendo uma postagem aqui... Como eu disse, não tentem me entender. Digamos que eu abri meus olhos, e parei de fingir com aquele papo de "é uma nova fase, blá, blá". Porque, sinceramente, não sei se ainda quero uma nova fase... A verdade é, que há muito tempo, tento retornar ao passado.
É isso, passado, presente e futuro entraram em conflito; E querem saber o que menos recebe atenção? Sim, ele mesmo, o presente! Loucura, estupidez, pois é, essa sou eu. Sejam bem vindos ao meu mundo, onde EU tento me destruir... E aí vai uma verdade, da qual eu sempre temi admitir: Não sou a vítima, sou a própria vilã.

Instantes.

E quando o pensamento voa, e estaciona onde não deveria? Assustador… Torturando-me, imagino, suponho e “torço” para algumas coisas… Mas, isso só acontece dentro de mim, pois a realidade é bem diferente. 
É por este motivo, que eu prefiro a fantasia. Prefiro esse meu mundinho louco, do que este em que vocês vivem. E daí que não é real? Só porque algo não é concreto, não significa que seja absolutamente impossível. Onde eu vivo, tudo é possível, basta acreditar e lutar. 
E por que isso não pode ser aplicado ao mundo real? Quero dizer, quantas vezes eu já provei a mim mesma, que se queremos algo, devemos ir atrás? Quantas vezes eu já consegui o que eu queria? Mesmo sendo chata, insuportável, mimada, eu consegui. Por alguns instantes, mas consegui. 
Só quero lhes dizer, para que abram a mente e o coração, não apenas os olhos. Abram-os, e percebam esses ‘instantes’. Pois os menores, serão os mais importantes da sua vida.

Problemas e problemas.

Quando o vento não sopra mais; A música está ao contrário; E as estrelas deixaram de brilhar… Dói, não é? 
Por que nós, seres humanos, estamos submetidos a tanto sofrimento? Será um tipo de “jogo”, isso que chamamos de vida? Há momentos em que eu penso, que existe alguém lá em cima, brincando conosco, como se fossemos peças de xadrez. E ainda sim, possuímos livre-arbítrio. 
Parece que aqui, tudo é motivo de dor. Nos “fissuramos” tanto com isso, que até esquecemos de viver as pequenas alegrias – E essas sim, são o paraíso. 
Não neguem, queremos tudo perfeito. Se o vento soprar um pouco fora de seu circuito normal, será o caos; Se a música estiver errada, nossa, “que coisa horrível”; Se as suas estrelas deixarem de brilhar, aí sim, tome cuidado. Mas lembre-se, há problemas e problemas.

Prioridades

Ouvi dizer que para encontrarmos o equilíbrio, devemos escolher quais serão as nossas prioridades. E, se você não for como eu, aposto que conseguirá decidir o que é mais importante. 
Meu grande problema está em querer ser tudo, ter tudo e conhecer tudo. Não me contento com pouco, afinal, estamos em um mundo tão diversificado, que se limitar ao básico é impossível. Não quero chegar nos últimos anos de minha vida, e pensar que não aproveitei; que apenas existi, e não vivi. Porém, a decisão do “tudo”, traz consequências, e pode nos levar ao “nada”. Confusão, estresse e por fim, à desistência. 
É um período de mudanças para mim. Talvez eu deva rever minhas prioridades, escolher aquelas que mais acredito, tranquilizar-me. E quem sabe assim, eu não consiga ter tudo.

terça-feira, 5 de junho de 2012


Acredite no amor de novo.
(Comer, Rezar, Amar)

E se

 o passado, o presente e o futuro, entrarem em conflito?

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Início, de novo.


À minha frente, uma longa estrada. Olho em volta, e não há nada além de vozes. Vozes que tentam me dizer o que fazer. Porém, grito, calando-as. Chega, chega de dar ouvidos para diferentes personalidades... Está na hora de ouvir a verdade, ouvir meu coração. Fecho meus olhos, respiro fundo, conto até dez, e pronto. Sei o que fazer... Lá vou eu, dou meu primeiro passo. E que comecem os desafios!

Abro meus olhos. Novo dia. Novas experiências. O mesmo sentimento.
Recordo-me do sonho, no qual - para não fugir da rotina - você estava presente.
A saudade, custa para ser aceita, mas o orgulho impede que eu ceda. Irônico, lutar contra o próprio coração.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

De volta.


Depois de algumas semanas sem postar, eu juro, não gostaria de voltar com notícias ruins. Mas, a vida é feita de altos e baixos. O quão proveitosos seriam os momentos bons, se não existissem os ruins?
O que não entendo, é que parecia que tudo estava começando a ficar bem. Ou, talvez, mais uma vez eu tenha iludido a mim mesma.
Não sei o que se passa em meu coração e cérebro; mas sei o que é se sentir sozinha, mesmo quando não se está. E querem a verdade? Por mais que não seja transparente, se você parar para refletir, irá concluir, que de fato, estamos sozinhos. O ser humano é um ser individualista, e para ele, conviver é um grande desafio.
(...)
Nos últimos dias, tenho observado meus iguais, e vejo o quanto somos diferentes. Vejo neles, atitudes erradas, que eu julgo erradas... Mas, o pior é quando concluo que as cometo também, e percebo o quão tola tenho sido. Tornou-se uma forma de melhorar, ver os próprios erros e ajustá-los.
(...)
Eu estou bem, de verdade. - Ok, só disse isso porque é algo bem clichê. - Falando em verdade, eu estou me esforçando para ficar bem. É assim que tem que ser, não é? Um pouquinho de cada vez. Exige paciência, algo que eu tenho buscado, e muito; Exige esforço, fé e amor. E eu tenho tudo isso, só preciso colocar em prática.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Então, senti um arrepio.

E foi nesse arrepio que eu soube...



Pertencíamos um ao outro.

terça-feira, 8 de maio de 2012

Sai de perto!

Eu não nasci pra tolerar ofensas, e calar-me. - Ninguém nasceu. - Se há alguma coisa que eu não goste, pode acreditar, eu vou falar. Ainda mais eu, Luiza Nogueira Delamare, que não poupo frases.
E não poupo mesmo, já "apanhei" muito por falar a verdade... Mas irrita, não é? Afinal, todos dizem que querem sinceridade, mas quem aguenta ouvir a verdade?
Agora, vou criticar a mim mesma: Eu também não aguento. Somos humanos... Dói ler, ou ouvir coisas, que não fazem bem a nosso ego. Sei bem, pois já chorei ouvindo verdades... Quem nunca?
Mas amigos, vocês não acham pior ler indiretas? Não acham pior ficarem sabendo por outras pessoas? Eu acho. Prefiro me molhar com a verdade, do que me afogar em um mar de mentiras. E acima de tudo, prefiro largar de mão, do que ficar forçando a barra em algo que não vai chegar a lugar nenhum.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Fé, coragem e amor.

Eu vejo tantas coisas, tantos sentimentos, tantas pessoas; Eu sinto e tenho tudo. Mas nem isso parece ser o suficiente.
O que falta, então? Dinheiro? Conforto? Fama? Opção? Em um mundo cheio de variedades, onde a cada momento há novidades, como escolher? Como sentir o que é concreto? Como saber quem você é? De quem você precisa? Não sei é a única coisa que sei.
E lembrando, que eu sinto tudo, e isso tem um grande preço. Querer viver e conhecer, exige dores, sacrifícios, dos quais vocês nem sonham em viver. Exige ter coragem, para enfrentar e ser forte. Exige perseverança e controle. Exige aceitação, e até anomalias. Mas exige acima de tudo, vontade; algo complicado de encontrar, e que pode ter clones, cruéis, que não irão exitar em lhe machucar.
Então, como ver o que é real no mundo, quando se está cega perante à ele? Fé... Fé por dias melhores; Fé pelo amor; Fé pela paz; E fé, que exista alguém, que possa com um abraço, um olhar, um sentimento, me curar.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

A mágica de um - simples - amanhecer.


O brilho intenso do sol,
Reflete na alma do mar.
O encontro de dois seres magníficos,
Transforma todos em um.

A brisa leve que o vento possui,
Oculta os sussurros apaixonados do amanhecer;
É mágico, incrível e simples.
Um lugar onde tudo pode acontecer.

Aos poucos, um novo dia começa.
Os pássaros cantam,
O aroma das flores se espalha,
E a melodia das auras,
Entra nos corações.

terça-feira, 24 de abril de 2012

E aqui estou, novamente.


Quando acho que estou pronta para dar o primeiro passo, algo me puxa para o chão, novamente. É como se a dor e a depressão gostassem de acompanhar-me, e não quisessem sair de meu corpo.
Aos poucos, discretas, elas aproximam-se; e por fim, entram em mim. Como um animal desesperado, lutando para não ser preso, resisto a essas anomalias que invadem meu espaço. Enquanto meu desejo, era que a esperança estivesse no pacote quando eu o abrisse... 
Felizmente, tenho a cabeça no lugar - Sei o que preciso fazer, o problema é: por onde começar? -. O que me destrói são conflitos internos; algo como uma auto punição. Mas, me punir de quê, afinal?

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Tenha coragem para usar a sua voz.

O poder de magoar das palavras é inimaginável. O que muitos levam anos para construir, pode desmoronar com uma simples observação. Medi-las não é fácil, e evitá-las, impossível.
Acima de tudo, precisamos ter a nossa voz. Mas, utilizá-la hoje, é como assinar a própria sentença de morte.
Como ter personalidade em um mundo onde é complicado ser aceito? Coragem. Coragem para aceitar quem somos; Coragem para encarar os comentários negativos; E coragem, para ouvir a verdade. Não esqueça, você tem tudo o que é preciso para correr, só precisa ficar de pé.

domingo, 22 de abril de 2012

Limpeza pessoal.

Às vezes, sinto que minhas redes sociais estão bagunçadas, e faço "uma limpa". Deixo de seguir algumas pessoas que não me interessam mais, ajeito a aparência dos meus perfis, atualizo as fotos, etc. Mesmo que seja insignificante, me sinto melhor com isso.
Então, comecei a refletir: As limpezas, como essas, que já fiz em minha vida... Em que retirei o que me fazia mal, abri espaço para a alegria, e renovei o visual. Aquela em que fora doloroso retirar algumas coisas, mas que hoje vejo o quanto valeu a pena. 
É bom passar por transições assim... Afinal, cansa viver sempre do mesmo jeito. Somos humanos, precisamos de mudanças, renovações, para ter a esperança de um novo dia. 
E termino por aqui, lhes deixando uma missão: Que tal fazerem uma faxina na vida de vocês? Vejam o que é bom e ruim; escolham com sabedoria! Quem sabe, não os deixe mais dispostos para abrir espaço às novidades? Pois de vez em quando, por mais que doa, é bom jogar algumas coisas fora.

sábado, 21 de abril de 2012

Noite de Ano Novo

Você já quis recomeçar? Óbvio, quem nunca, não é? Mas, qual o momento certo para o recomeço? Algumas pessoas acham que a noite de ano novo é perfeita. É uma opção, mas não significa que seja uma regra.
Todos os dias você pode recomeçar, há sempre um novo amanhã. Nada acontece duas vezes da mesma maneiraNão deixe para amanhã, o que você pode fazer hoje. São estas frases clichês, que por mais simples que sejam, demonstram esperança.
E não esqueça, que nunca é tarde para tentar. Sei que a vida não é fácil, sei que os caminhos são confusos; mas lembre-se, viver o hoje é uma nova chance.

Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver.
Dalai Lama

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Há um pedaço bom, até mesmo, em um bolo estragado.

Recentemente me falaram que devemos viver um dia de cada vez. Não é saudável viver o amanhã, pois o presente é exatamente o que a palavra diz "uma dádiva".
Dádiva, ou desgraça? Algumas pessoas perdem a vontade de seguir em frente, apenas por terem tido dias ruins. Esquecem que é possível ter um pedaço bom, até mesmo, em um bolo estragado. Ou, por pensarem tanto no amanhã, deixam de ver claramente o hoje, que é tão perfeito - e ninguém sabe disso.
Ao invés de dirigir para o trabalho, pensando no que fará quando chegar lá, coloque uma música, relaxe, colha algo prazeroso deste momento... Pois a vida é feita de momentos. E convenhamos, ninguém quer terminar seus dias arrependido por ter deixado de viver, apenas por medo de que as coisas não saem como planejado.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Coisas que nunca serão entendidas.

Alguns de vocês, principalmente meus amigos, devem ter perguntado a si - Eu espero - o motivo de meu desaparecimento repentino, e por que isso acontece em determinados momentos da minha vida... E querem saber a verdade? Eu não faço ideia de como minha cabeça e coração funcionam, e quais motivos levam-me a cometer algumas bobagens.
Falem por vocês, em algum momento da vida, já conseguiram se entender 100%? Aposto que não. Ou, quem sabe, exista exceções para este tipo de regra também... Se existe, por favor, apresente-se.
Mas, em minha humilde opinião, nós, jovens, adultos, crianças, seremos eternamente assim; pois é isso que nos torna humanos. Pensem em como seria chato entender a razão de tudo, os por quê's, as dúvidas; a vida perderia seu atrativo, que é: Conhecer, experimentar, tentar entender, e sempre se surpreender.

segunda-feira, 9 de abril de 2012


E quando ninguém está por perto, bem baixinho, eu fico cantarolando a nossa canção.

domingo, 8 de abril de 2012

Lembra quando você disse que eu estava no seu futuro?


Eu lembro, às vezes. 
Mas nunca esqueço do dia em que descobri que nossos futuros seriam distintos.

Um grande aliado.

O tempo tornou-se um grande amigo. Ele tem, aos poucos, colocado tudo no lugar. Os enigmas se resolvem, as peças se unem. A dor passa, enquanto os destinos se encontram. É preciso paciência, fé e força de vontade. O tempo têm me dado isso, um de cada vez, para não me confundir... Agora eu entendo! A vida é um jogo de tabuleiro, e às vezes ele pode estar inverso; e então, é preciso ficar uma rodada sem jogar, para descobrir a si mesmo, e sair do labirinto.

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Our story.


Era uma noite qualquer, quando eu o vi. Você se aproximou, tímido, com seu olhar carente.  Sorriu, e trocamos palavras. 
O medo de se apaixonar e se entregar, floresceu em mim. Mas resistir àquela transparência que havia em sua expressão, era impossível. Você segurou minha mão, e levou-me à uma aventura. Juntos, vivemos coisas da qual eu nunca esquecerei; era um novo mundo, um novo sentimento... Coisas que eu não via trancada em meu mundinho perfeito. 
Quando eu chorei pela primeira vez, você me abraçou e prometeu que nunca iria derramar uma lágrima minha, só secá-las... O que tínhamos era único, o tempo passava e nem notávamos. 
...
E então, um dia, você quebrou sua promessa, e eu fiquei sem rumo. Vi a realidade de uma maneira cruel... Fugi, e fingi que nem sabia seu nome. Não o ouvi, era difícil encará-lo. Sabíamos que isso estava nos matando, mas eu fui forte - Ou fraca -, e resisti. 
O tempo passou e a angústia cresceu, enquanto eu não sabia direito o por quê. Escondi de mim mesma um sentimento... Um perdão. Os problemas iam e vinham, e a solidão ainda acompanhava-me. Tantas pessoas chegaram, e nenhuma era o suficiente... E infelizmente, quando eu aprendi a lição, era tarde demais.
Era uma noite qualquer, quando eu o vi. Você se aproximou, tímido, com seu olhar carente, mas havia outra coisa. Uma tristeza, um ódio, um rancor. Uma lágrima de meus olhos escorreu, e eu percebi: Éramos desconhecidos agora, mesmo que nossos corações estivessem ligados. 

terça-feira, 3 de abril de 2012

Um brinde



Vamos brindar às pessoas que melhoram o mundo com poucas palavras. Vamos brindar à felicidade. Vamos brindar à esperança. Festejar e demonstrar um sorriso a elas, é a melhor forma de agradecimento. 
Hoje é um novo dia, irei recomeçar graças a você, obrigada.
Um brinde a nós.



Here's to us
Here's to love
All the times
That we messed up
Here's to you
Fill the glass
Cause the last few days
Have gone too fast
So lets give em hell
Wish everybody well
Here's to us

domingo, 1 de abril de 2012

Em qualquer lugar do mundo, é a combinação perfeita.



Em vários lugares do mundo, neste momento, há pessoas se abraçando, chorando, compartilhando sentimentos. Todas, felizes ou tristes, com alguém ao seu lado. E há também as solitárias. Aquelas que desistiram de tentar, ou só cansaram. E não pensem, que por chamá-las de solitárias, elas estejam de fato sozinhas. Não, na verdade, elas podem estar com "a casa cheia"... Porém, cegas pelas desgraças do mundo, não vêem a própria felicidade. Só querem sugar, sugar, e não percebem que devem doar também.
Felicidade não é só receber notícias boas, ir a festas, ter um relacionamento 100% perfeito. Felicidade é saber dizer adeus ao passado, é levantar todos os dias e dizer "eu sou forte, eu consigo!"; Felicidade é um riso de criança, e olhar ao redor e saber que você tem tudo. E eu não falo de uma casa perfeita, com tudo o que uma mulher sempre sonhou. Eu falo de algo mais complicado, incompreensível e esquisito... Uma combinação de esperança e amor, com uma bela dose de sorrisos.

Você julga até sentir. E um dia não sente mais.

Dizem que as garotas mais populares, são as que mais sofrem. "Maybe, maybe..."
Sofrer, atualmente, tornou-se clichê, o que dificulta a transparência da verdade. Mas uma certeza eu tenho: Você nunca realmente saberá, até sentir. Julgar é tão fácil, simples. Sentir é ser forte. Sentir é necessário, é aprendizado, mesmo quando doloroso.
E também há o "não sentir", ah, esse é o pior. Em um mundo em que somos movidos por emoções, um coração silencioso e uma mente ansiosa podem ser sintomas de uma grave doença. Alguns chamam-na de depressão, tristeza ou "falta de atenção". - Como eu havia dito antes, é fácil julgar. - Todos apontam, dizem, lhe "jogam" para psicólogos e psiquiatras, desistem de você. Colocam desconhecidos a sua frente, achando que eles, acompanhados de ajudantes da medicina, irão terminar com tudo. - Quem sabe terminem, mas olhem bem, é como pintar uma casa velha, só por fora; Por dentro ela continuará feia...
Perdida, confusa, buscando a própria identidade. Um bebê atrás de uma mãe... Algo falta, e ninguém parece entender. - E eles não entenderão, até que aconteça com eles. - Muitos irão falar, o julgamento será árduo; mas cabe a você ouvi-los ou não. E o pior de tudo, é que ao mesmo tempo que precisa deles, você não os quer por perto.
Entrar no próprio labirinto é assustador, eu sei, ainda mais quando você se perde nele. O primeiro passo, sinceramente, para sairmos daqui? Se olhe no espelho da verdade. É difícil, eu sei, e exige muita coragem - E ela será muito necessária futuramente -. E quando você olhar e ver onde errou, alguém vai te segurar enquanto concerta... Estamos juntos nessa, todos nós.

quarta-feira, 21 de março de 2012

5 dias de desafio.

O título diz tudo, e é exatamente isso que vai acontecer. Este foi o desafio que fiz a mim mesma: 5 dias sem acessar nenhuma rede social. Tenho um motivo para tais atos, considerem como uma "promessa". Quem sabe, após este tempo, eu não faça um breve comentário de como foi a "grande tortura"?! E que isso fique como dica: Desafiem a si mesmos! Vençam os próprios costumes, mudem, façam a diferença! Eu garanto, que há muitas coisas que vocês nem imaginam sobre si. Surpreendam-se!

terça-feira, 20 de março de 2012

Dear autumn





Ah, querido outono! As folhas caem, o vento leva... Esta é a primeira etapa da recuperação: a limpeza pessoal. Vou livrar-me de tudo o que não me faz bem, e até mesmo, do que faz. Deixo a estação tomar meu corpo; Escolho minhas prioridades, e as seguro; o "resto", recebe um sorriso e um adeus.

segunda-feira, 19 de março de 2012

A obra de uma vida.

Me lembro de quando eu era criança: Meus pais, preocupados, escondiam de mim o que achavam "forte" demais para que minha maturidade mental suportasse. Eles queriam me proteger, mas não sei se isso fora o certo.
Dizem, que a verdade dói. Mas a mentira, dói o dobro. Pois, enquanto a verdade é clara e óbvia, a mentira começa silenciosa, até revelar-se, quando já é tarde... Exemplo disso, a típica história da criança adotiva, que é enganada por anos... O choque é tão grande quando tudo é revelado, que laços fraternais infelizmente se partem.
Antigamente, eu era mais ingênua do que agora, e não sabia que "probleminhas" da infância iriam acompanhar-me até hoje, camuflados por anomalias pessoais. Eu não sabia que poderia brincar de "ser os pais mentindo para os filhos". Eu, menti pra mim, para me proteger de uma verdade que eu já sabia. Confuso não é? Sou adolescente, seria anormal se fosse fácil.
É como uma obra de um prédio. As pessoas querem que eu me reerga milagrosamente, jogue todos os tijolos de uma vez só, e pronto! Mas, assim fica feio, desorganizado, e é fácil de desabar. Só, que eu segui o conselho delas, fiz como mandaram, e agora sofro procurando meus bens no meio de ruínas.
Eu deveria mentir menos pra mim. Aceitar quem eu sou, o que quero, e quem eu quero comigo. Não ter medo; não querer um prédio pronto, mas trabalhar para que cada tijolo posto, valha a pena. É, eu falo, falo, engano que faço, mas no final, a verdade sempre aparece.
Quantos prédios serão necessários desabar para que eu aprenda? Quantos tijolos mal colocados? Quantas vidas perdidas? Dúvidas frequentes em um coração perdido. Minha única certeza é que há esperança. E ela fará com que sempre haja um restinho de cimento e tijolos. Que com paciência e amor, poderão multiplicar-se. Para quem sabe assim, não montarmos todos juntos, um novo World Trade Center.

domingo, 18 de março de 2012


Escalando a montanha, removendo pedras e plantando flores.
Cora Coralina. 

terça-feira, 13 de março de 2012

Consequência do livre-arbítrio

Entender a si mesmo não é uma tarefa fácil. Ou, no fundo, creio que o difícil é aceitar a ideia de que você passou a compreender-se.
Aceitar. Aceitar... Aceitar que a vida não é uma festa, e sim uma jornada. Aceitar que o mundo vive em guerra. Aceitar que você não tem o poder de controlar tudo o que deseja. Aceitar que você é seu próprio obstáculo...
Após um tempo, algumas pessoas, cansam de estarem 99,99% de seu dia confusas. Perdidas na própria vida, sem saber qual rumo tomar. E complicado, é concluir qual o lado de fato é certo, e quando convencer-se disso, fugir. É ter tudo em mãos, e não segurar.
Imagine, se possível, controlar o próprio destino. Mas ah, espere! É possível, e inevitável que seja de outra maneira. Tudo na vida é uma escolha, e há sempre consequências. É o livre-arbítrio, precisando vir acompanhado de coragem.
Coragem para falar a verdade; ajudar a si, e parar de fingir! Coragem para admitir os erros e enfrentá-los. Coragem para dizer adeus. Coragem para encarar o mundo, e rir na cara do inimigo. Coragem para ser alguém melhor, mas sem forçar a bondade. Coragem para amar e lutar... É, coragem! Mas acima de tudo, o ser humano precisa mesmo, é de coragem e preparo psicológico para surpreender-se conhecendo a si.

domingo, 11 de março de 2012

O amor verdadeiro.

É fácil amar o outro na mesa de bar, quando o papo é leve, o riso é farto, e o chope é gelado. É fácil amar o outro nas férias de verão, no churrasco de domingo, nas festas agendadas no calendário do de vez em quando. Difícil é amar quando o outro desaba. Quando não acredita em mais nada. E entende tudo errado. E paralisa. E se vitimiza. E perde o charme. O prazo. A identidade. A coerência. O rebolado. Difícil amar quando o outro fica cada vez mais diferente do que habitualmente ele se mostra, ou mais parecido com alguém que não aceitamos que ele seja. Difícil é permanecer ao seu lado quando parece que todos já foram embora. Quando as cortinas se abrem e ele não vê mais ninguém na plateia. Quando o seu pedido de ajuda, verbalizado ou não, exige que a gente saia do nosso egoísmo, do nosso sossego, da nossa rigidez, do nosso faz-de-conta, para caminhar humanamente ao seu encontro. Difícil é amar quem não está se amando. Mas esse talvez seja, sim, o tempo em que o outro mais precisa se sentir amado. Eu não acredito na existência de botões, alavancas, recursos afins, que façam as dores mais abissais desaparecerem, nos tempos mais devastadores, por pura mágica. Mas eu acredito na fé, na vontade essencial de transformação, no gesto aliado à vontade, e, especialmente, no amor que recebemos, nas temporadas difíceis, de quem não desiste da gente. Nessas horas é que se vê o verdadeiro amor, aquele que é companheiro, que quer o bem acima de qualquer coisa. E é esse o amor que dura pra sempre. Na verdade esse é o único que pode ser chamado AMOR!
(Autor Desconhecido)

Na vida, não há tempo para ensaios.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Vivendo e aprendendo.

Antes de tudo, tenho um pedido: Não fale, não pense, escute (leia). Eu sei que é inevitável, mas peço que não me julgue. Não diga o que eu devo, ou deveria, ter feito. Não pense no que é certo ou errado; Pois o que é para um, pode não ser para outro. Não me chame de louca, infantil, por ter feito o que fiz... Você nem sabe os motivos, talvez idiotas, que levaram-me a isso. Acontece, faz parte... - É, estou tentando convencer-me disso -
Você, de longe, me observa e pensa que perdi o juízo. Eu sei que sim, não é necessário mentir, pois já fiz o mesmo. Porém, hoje tenho consciência de que falar é fácil, e viver é um grande desafio. Julgar, apontar, crucificar, são tão simples quando tratamos do próximo... Mas, se for necessário admitir e reconhecer os próprios erros, quantos são voluntários? Quantos terão coragem para ignorar os olhares, as palavras, e enfrentar os caminhos difíceis? Quantos de vocês, que apontaram pra mim e disseram que meu desejo era ser vítima, não estão coçando a cabeça agora, pensando se tal julgamento fora correto? E quantos mais, mesmo que não tenha sido detalhadamente, já não se encontraram na mesma situação?
A vida vai lhe pregar muitas peças, vai causar muitas perdas. Irá se esforçar para lhe derrotar; e isso só quem pode mudar, é você! É questão de escolha: Há o bem e o mal em suas mãos, pegue um e trilhe a jornada. Sem esquecer que aparências enganam.
Há, e haverão ainda, muitas dúvidas. Momentos que você jogará tudo para o alto, desejando o fim. Sem estímulo para seguir em frente. Então, a ficha de que a única pessoa que lhe impede do sucesso é você mesma, cai e lhe confunde ainda mais.
Mas, o pior de tudo, é que necessitamos do julgamento, e achamos ter o poder de tal. - Cheguei aonde queria. - Achismo é tão corriqueiro. Todos acham, mas certeza, não há quem tenha coragem para buscá-la, ou mostrá-la.
E, depois de toda essa enrolação, a única conclusão que consigo tirar de minha própria experiência de vida, é: Que todos nós estamos condenados, pela eternidade, a sermos o tipo de sujos que criticam mal lavados.

Pior do que sentir dor, é não sentir.

E como última tentativa, busco a própria dor, e nem isso consigo encontrar. A sensação de que cada vez mais meu espírito escapa de meu corpo, atormenta meu sono. Minha consciência perdeu-se em si, meu coração dói, e nem isso consigo entender. A força de vontade fugiu, e a solidão tornou-se a única companheira que desejo. Mas, infelizmente, querer solução é como procurar alguém de branco no meio de um nevoeiro. Nem o medo está presente, pois a falta de "vivência", livrou-se dos sentimentos. E não sentir a dor de uma queda, pode ser pior do que morrer de tanto gritar. Pois, o caminho que aparenta ser mais fácil, nem sempre é o menos confuso.

As férias que sempre sonhei: de mim mesma!

Os últimos dias têm sido cansativos, estressantes, monótonos. - Porém em alguns deles, posso considerar que há uma parte boa - Não sei se é a dificuldade de me acostumar a rotina, ou o desejo de retornar a dramas que foram deixados para trás.
Ultimamente, tenho me irritado com momentos como este, dos quais estou muito acostumada: Fico como um vegetal, olhando para o nada, sem sentir. Sem pensar, sem querer, sem viver... Sem forças! Estranho, calmo e inevitável.
A auto destruição tem dominado meus sentidos, que tentam resistir... Mas, querem a verdade? Estou cansada de mim mesma! É, preciso de férias dessa tal de Luiza Delamare, que idealiza sua vida em um filme, conto de fadas, seriado... Tanto faz! Só sei que ela quer demais, não da valor para o que tem, e ama um drama. Não é por mal, só estou cansada. Não me ajudo, e depois, espero que alguém sinta pena. E esqueço de viver. Tudo por quê? A resposta foge de meu alcance, mas no fundo sei, que só quero atenção.
Sou mimada, boba, desobediente! Difícil de lidar, e mesmo tão infantil, chego a ser séria demais. Realista, fujo da própria felicidade, por medo da tristeza. Se sou corajosa? Isso eu sou, ou era... A verdade é que não me conheço mais.
Eu pensava que precisava de um príncipe, ou um sapo, que me encontrasse perdida em meu próprio labirinto, e me salvasse de tudo. Resolvesse meus problemas, sem que eu medisse esforços. Queria qualquer um que pudesse suprir minhas necessidades. O primeiro que surgisse, seria o "amor da minha vida". Resultado: Derramei lágrimas sem necessidade, e me machuquei para aprender.
E essa foi apenas uma, de minhas inúmeras aventuras em busca da "salvação". Onde o inimigo, - Perceba, novamente, a ironia - sou eu.
No fim das contas, creio que todas estas quedas serão importantes futuramente, ou, agora. Tudo o que aprendi, não pode ser escrito, desenhado, contado... Apenas vivido. "Quebrei a cara"? Ah, tantas vezes... A diferença, é que eu sabia que isso iria acontecer. Afinal, nada nesta vida é em vão, não é?
Hoje, a própria heroína da história, sou eu. A vítima, que transformou-se em vilã, e logo após tornou-se a heroína! Engraçado, complicado, estranho, confuso, irônico... Vejamos, acho que definimos Luiza Nogueira Delamare, não é?
E, bem, querem um conselho? Se entreguem. Não pensem, sintam! É da naturalidade que nascem as melhores coisas desta vida. Ah, e caso percebam que andam chatas e manhosas como eu, aí vai outra dica: Digam a si mesmas "Cala a boca idiota, deixe-me viver! Da um tempo!"

terça-feira, 6 de março de 2012

Mensagens de texto.


Mensagens de texto, sorrisos bobos e olhares tímidos. Conversas perdidas, indiretas escritas. Joguinhos, insegurança e brincadeiras. Confiança e liberdade. Sentimento e sinceridade. Vida própria e preocupação. Indiferenças, imaturidade. Compartilhar tornou-se regra, regra não dita. Regra natural, do coração. Jovens amigos, perto ou longe, vivendo algo indefinido. Forças separadas por quilômetros, desconhecidas. E quem sabe um dia, transformem-se em uma só.

Quem nunca sonhou?

Quem nunca sonhou em ser bailarina?
Ter pernas finas.
Quem nunca sonhou em ser cantora?
Expressar o mundo através de sua música.
Quem nunca sonhou em ser astronauta?
Viajar nas órbitas.
Quem nunca sonhou em ser atriz?
Dramatizar vidas fictícias.
Quem nunca sonhou em ser escritora?
Contar histórias nunca vistas antes.
Quem nunca sonhou em ser uma princesa?
Salva por um príncipe encantado.


Quem nunca sonhou?
De olhos abertos...
Sonhos inocentes, belos, puros.
Diferentes, complicados.
Sonhos bondosos, para o bem.
São esses os sonhos,
Que cada um tem.

Diferenças idênticas.

Engraçado, como as pessoas podem ser idênticas, e ao mesmo tempo, ocuparem extremos opostos. O mistério que envolve os seres humanos é completo de ironias.
Opiniões, escolhas, parte de cada um. Há um ponto negativo, e um positivo, como em tudo na vida. A conquista de agradar a todos, é a mais cobiçada, porém - Eu não acredito que irei dizer -, impossível.
Paciência, flexibilidade, ouvido; Três itens necessários se você quer sobreviver de uma maneira socialmente estável. Não é uma regra, mas um conselho. Afinal, vivemos em sociedade, devemos aprender a conviver. E a aceitação é o primeiro passo. O orgulho, também, às vezes deve ser esquecido.
O fato, é que discórdias não acontecem só em grupos grandes, estão tão presentes em conversas de casais, também. Pois, convenhamos, cada ser humano é único, e nenhum de nós é 100% sincero, quando falamos em nossos desejos.
E, que graça teria se todos sonhassem a mesma coisa? Tivessem as mesmas metas, objetivos, razões? Mundo chato, monótono demais, não? A diferença é necessária para aprendermos a dar valor aos pontos em comum, e crescermos como pessoas, aceitando ideias alheias que possam amadurecer o ego.

Prefiro o silêncio e a solidão,

do que ser obrigada a encarar o julgamento e a verdade.

Ridículo, sem noção. É, ache fofo uma garota com ciúmes... Provoque-a, e irá desejar nunca ter subestimado o sexo feminino!

Dói, mas faz bem.

A dor é inevitável, pois mesmo que a vida tente ensinar, nunca estaremos preparados para perder alguém. Mas, se aliado a dor, o sentimento de paz rompera o silêncio? Uma tranquilidade desconhecida, trouxe as respostas.
O mais difícil, é admitir que você aderiu a meios infantis para tomar sua decisão. Torturou a si mesma, confundiu-se, até livrar-se deste peso. Um peso, que por sinal, você não sabia viver sem.
A vida pode surpreender, ou decepcionar. Mas a escolha é fundamental para abrirmos o pacote. Afinal, cada um faz o próprio caminho.
Dizer adeus, - sem intenção, porém necessário - é mais intenso do que dizer "olá". Ainda mais, quando você sabe que ali fixou-se apenas um mero ponto, e não o final. A certeza de que há continuidade nesta história, mesmo que demore para ser escrita, preenche tua esperança.
Parágrafos, linhas tortas, mistérios, dúvidas, remorsos. Diálogos perdidos e sentimentos misturados. O espirito resistiu, mas a carne fora fraca.

segunda-feira, 5 de março de 2012

A única coisa que nos pertence.

O abraço é o meu idioma. Por mais sem graça ou tímida que eu esteja, nunca vou te dar um abraço frouxo. Com pressa. Sem vontade. Sem cor. Sem calor. Não, me recuso. Não, não se assuste. Não recue. Não se intimide. Vamos conversar e não dizer nada. Vamos dizer tudo em um abraço. Vamos ser o mundo inteiro nesse momento. Seja o mundo inteiro pra mim nesse momento. Vamos fazer com que tudo o que sentimos caiba nesse abraço. Vamos fazer com que tudo o que sentimos seja infinitamente maior que nós mesmos. E que o espaço entre nós tenha sempre verdade. Que os nós de nós sejam desatados e que nosso abraço seja sempre a nossa verdade. A única que nos pertence.
Silvia Prata

Não por mim,

nem por você, muito menos por causa dos outros. Isso é por nós.

domingo, 4 de março de 2012

Eu acredito no amor.


Eu acredito no amor, da mesma forma que muitas pessoas acreditam em contos de fadas. Pois, a verdade é que, o amor deixou de fazer parte da realidade. - Ou, ele nunca fez - Poucos o sentem, creem nele. E são esses poucos, que sabem o verdadeiro significado de viver os próprios sonhos.

É quando eu olho para você.

Todo mundo precisa de inspiração
Todo mundo precisa de uma canção
Uma bela melodia
Quando a noite é tão longa
Porque não há nenhuma garantia
Que a vida é fácil 
When I look at you - Miley Cyrus

Goodbye


Se eu - digo que - não me importo, por que dói? Por que é tão difícil dizer adeus? - Quando você já disse tantas vezes antes?
É, dê asas ao seu amor. E tente enganar a si.

Tudo o que eu tenho.

Um dia o mundo vai virar as costas para mim, mas as palavras não. É por isso, que nunca irei deixá-las. Sei que exagero no sentimento que entrego a elas, mas em nenhum momento evito, ou temo. Pois, me confortam, me dão esperança. Não importa se escrevo bem ou mal. É tudo o que eu, realmente, posso dizer que tenho.

sábado, 3 de março de 2012

- Você a ama?

- Incrível você ouvir isso de meus lábios, mas, sim.
- Sério? Oh cara, haha, sinto muito por você!
- Não sinta... Eu não poderia estar melhor.
- Mas, por que você a ama? Por que agora? Quero dizer, vocês não conseguiam olhar um para a cara do outro.
- Eu sei, e é isso que torna tudo mais emocionante, louco, melhor. Ela pode ser a pessoa mais insuportável, cruel e idiota que já conheci em minha vida; Mas, a verdade é, que quando a vi, ali, parada, sozinha, encurralada pelas próprias mentiras... Sabia do que precisava! E desejei ser o único que pudesse dar isso a ela.

Fugir levou ao perigo.

- Eu avisei para não se aproximar, e caso o fizesse, eu mandei que não se apaixonasse! Por que os homens são tão estúpidos? Parece que vocês querem ir atrás do sofrimento.
- O que disse? Vocês mulheres se acham tão inteligentes. E esse ego aumenta após superarem um amor não correspondido. E então, tornam-se idiotas, burras; Pois deixam que o verdadeiro amor passe em frente a seus olhos, e não fazem nada para mantê-lo. Não venha me culpar por entregar-me e sentir, só porque você tem medo de sofrer.








Após uma certa idade, você deve parar, refletir e escolher quais serão suas prioridades. Por quais razões vale a pena derramar lágrimas, e por quais você deve lutar.

Apesar dos apesares, obrigada.

Sinto muito que o ditado "Aprender com os erros", tenha se aplicado a nós dois. Ambos machucados. Rancorosos, perdidos. - Ou, apenas eu esteja me importando, pois é tarde. Talvez, você nem lembre mais meu nome... - Quando eu o tinha, lhe fiz mal. E dói admitir que sou a culpada. Lembra a rosa que você prometeu me dar? Não cansei de esperá-la! Lembra aquele perigo que, juntos, íamos correr? Ainda penso nele, mesmo que vá contra meus princípios. E lembra, quando eu prometi ajudar? E falhei... Sinto muito. Você pode ser o pior erro de todos, mas é o caminho mais certo, ao meu ver. Porém, é tarde. Mas obrigada, por ter sido o único que me viu quando eu era invisível; e de fato, agora que todos podem ver, sinto que não tenho mais o mesmo efeito... Somos desconhecidos, em um mundo, onde um dia fomos confidentes. É cruel olhar em seus olhos e ver tanta indiferença... Obrigar-me a desistir de nós, e seguir meu rumo em chão seguro. Afinal, quem disse que na vida, escolhemos o que queremos? Às vezes, vamos atrás do que precisamos.

E o prêmio é para: O meu primeiro amor. (2010-2011)

Alguém que está olhando por mim.

Ao abrir meus olhos, senti. Busquei... A voz da razão que eu perdi. Porém, algo me trouxe de volta. Uma força incrível demais para estar viva. Então percebi, é hora de crer em meus sonhos. Não irei desistir. Eu preciso acreditar, eu preciso vencer. E eu serei forte. Não importa o que as pessoas digam, não importa o que as pessoas façam. Irei apostar em mim, e irei voar. Sei que posso estar errada, arriscar tudo e perder. Mas nada como um dia após o outro. E nada como ter alguém ensinando-me proteção. Alguém que está olhando por mim.

sexta-feira, 2 de março de 2012

Escolha!

E se a escolha mais importante de sua vida, fosse a mais insignificante?
E se, por um momento, você tivesse que escolher entre o amor, ou a si mesma; que caminho iria seguir?
E, caso tudo estivesse perdido, você aceitaria "trapacear" para "superar"?

Eu tenho uma família que me ama, amigos e sonhos impossíveis. Tenho tudo... Então, por que continuo insistindo no delírio de cegar a mim mesma?

A pessoa mais irritante, ridícula, estranha, esnobe e esquecida,

é aquela que você não sabe viver sem!

Insegurança, simples assim. Ou não.

Incrível como a insegurança está presente em todos os humanos, e só alguns deles percebem-na e a deixam transparecer. Pode ser vantajoso controlar este sentimento, mas não é fácil.
Existem dois tipos de insegurança: A que sentimos do próprio ego; E aquela que só sentimos quando algo, ou alguém, também está envolvido. A primeira, é um mistério para mim, e não é um assunto que eu gostaria de me aprofundar aqui... Mas a segunda, bem, é cruel. Ela tem o poder de enlouquecer, de fazer sofrer, de confundir. É assustadora! Consegue transformar os melhores e belos sentimentos, em raiva, decepção, tristeza.
Costumo passar meu tempo na internet em busca de um texto, um poema, uma música, que possam me ensinar alguma coisa. Seja de uma maneira espiritual, ou física. E, sinceramente, noto a insegurança presente, mesmo o quão seja difícil perceber. De fato, ela entra na vida de alguém quando é sentido o poder de posse, ou desejo - Ah, sem esquecer que a maioria das pessoas confundem com amar -.
Mas, não se assuste só porque ela dominara seu corpo... Liberte-a, e assim quem sabe ela não vá embora logo, ou, em minha humilde opinião: Adormeça. Creio que a insegurança sempre estará presente, mas cabe a cada um de nós decidir se vamos deixá-la ter o poder de controle, ou não.

quinta-feira, 1 de março de 2012

Erro de nossos pais.

- Mãe, por quê? Qual o problema que os pais dele sejam o que são?
- O problema é que você tem 14 anos Sara! É ingênua, não sabe onde está se metendo, deve tomar cuidado... Olhe, depois que tive você, as pessoas passaram a me julgar constantemente, não quero que sinta o mesmo.
- Ah mãe, se diz tão experiente, e vem com esse papo? As pessoas sempre irão julgar, e de uma maneira cruel. Você pode ser perfeita, mas elas arranjarão algum motivo para criticar seus atos.
- Mas você pode evitar filha...
- Está enganada! O julgamento é inevitável, mas cabe a cada um decidir se quer dar ouvidos a ele, ou não. A questão é estar consciente das próprias escolhas, e erguer a cabeça enfrentando as dificuldades. Entenda que na vida, nada é fácil, mas isso é bom. São com os erros que aprendemos. E não percebeu uma coisa, você o julgou mamãe...
- Sinto muito.
- É, eu também sinto. Mas sabe o que aprendi? Não devemos nos crucificar pelo erro de nossos pais.

Ironia é dizer que você se encontrou quando se perdeu.

Novas lições.


A verdade pode doer - ou não - dependendo de sua origem. Existem pessoas que com um simples "Olá" têm o poder de curar. Depois da tempestade, tem sempre um dia de sol. E um dia você acorda, e percebe que existe alguém que faz você querer ser uma pessoa melhor.

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Poderia ser pior?

O que foi que eu fiz? [...] Deixei que minha própria anomalia terminasse com meus planos. Trouxesse à tona o desequilíbrio, que faz com que eu me perca em meu próprio caminho, novamente.
Tentar, tentar e tentar... Quantas vezes já tentei? No fundo, concluo que sou eu que não me ajudo, porém, a verdade é que estou desesperada atrás de forças para reerguer-me. Admito que sou descontrolada, louca. E ao mesmo tempo, sei que não. Esta não sou eu... Eu tento ser forte, mas estou fraca.
Perco-me nas palavras, e perco-as. Sem sentido, sem explicação. Por que? Resposta não há. Apenas dor, e no fundo de meu coração, a esperança que luta para sair.

Os caminhos de cada um.

Algumas pessoas nasceram para concursos de beleza;
Outras, sentem-se mais tranquilas escondidas atrás de mesas.
Algumas pessoas escrevem, sentem, transparecem com a arte;
Outras, seguem caminhos mais exatos.
Algumas pessoas têm talento para cuidar da saúde;
Outras, cuidam da segurança.
Algumas pessoas encontram em um passo de dança, a solução para tudo;
Outras, reviram livros e o mundo atrás de uma resposta.
Algumas pessoas querem ajudar;
Outras, querem prejudicar.
Algumas pessoas entram em faculdades;
Outras, desistem de acreditar em si.
Algumas pessoas dão a vida;
Outras, tiram uma.
Algumas pessoas estão perdidas, sem saber qual caminho seguir;
Outras, estão tão convictas, que limitam-se...
Todas as pessoas erram, caem, sofrem;
Mas só algumas pessoas são corajosas o suficiente a ponto de se entregarem aos acasos da vida,
e buscarem a força necessária para reerguer-se após uma queda.